Adolescentes de 12 a 17 anos também serão vacinados, anuncia Ministério da Saúde; início após imunização de toda a população com 18 anos ou mais

O Brasil irá vacinar adolescentes de 12 a 17 anos contra Covid-19 depois que toda a população de 18 anos ou mais receber ao menos uma dose de imunizante. A informação está em comunicado assinado nesta terça-feira (27) pelo Ministério da Saúde, pelo Conass (conselho que representa os secretários estaduais de saúde) e pelo Conasems (que representa os secretários municipais de Saúde) –órgãos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS).

A prioridade será dada para adolescentes com comorbidades. O presidente do Conass, Carlos Lula, estimou nesta terça que a primeira dose seja dada a todos os brasileiros adultos num intervalo de três a cinco semanas –entre o final de agosto e setembro.

Não foi informado qual imunizante os adolescentes receberão. Em junho, a Pfizer recebeu autorização da Anvisa para vacinar adolescentes a partir de 12 anos.

Algumas cidades brasileiras, como Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, Niterói, no Rio, e Guajará-Mirim, em Rondônia, já começaram a vacinar adolescentes. O comunicado desta terça diz que estados e municípios devem seguir rigorosamente o Plano Nacional de Imunização, “sob pena de responsabilização futura”.

Em todos os estados e no Distrito Federal, a primeira dose foi aplicada no equivalente a 45,96% da população, segundo dados divulgados pelo consórcio dos veículos de imprensa às 20h desta terça-feira. Mais de 18% da população brasileira está totalmente imunizada, ou com duas doses ou com dose única, contra a Covid-19.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Comunicado do Ministério da Saúde e conselhos de Saúde — Foto: Reprodução

Comunicado do Ministério da Saúde e conselhos de Saúde — Foto: Reprodução

Pfizer

Queiroga disse nesta terça que a redução do intervalo entre as doses da vacina da Pfizer deve ocorrer somente após a vacinação de toda a população com mais de 18 anos com pelo menos um dos imunizantes disponíveis no país.

Atualmente, o ministério recomenda o intervalo de 90 dias entre a primeira e a segunda doses da Pfizer contra a Covid-19. Na bula da vacina, o período previsto é de 21 dias.https://s3.glbimg.com/v1/AUTH_14ce1dbebbe64b1e8e955809a085692d/web-components/teste-ab.html?urls=eyJ1cmwiOiJodHRwczovL3MzLmdsYmltZy5jb20vdjEvQVVUSF8xNGNlMWRiZWJiZTY0YjFlOGU5NTU4MDlhMDg1NjkyZC93ZWItY29tcG9uZW50cy9wcm9kL3dpZGdldC5odG1sP3Byb2R1Y3ROYW1lPWcxJnByb2R1Y3RDb2xvcj0lMjNDNDE3MEMmYXJ0d29ya1VSTD1odHRwcyUzQSUyRiUyRnMzLmdsYmltZy5jb20lMkZ2MSUyRkFVVEhfNTllZGQ0MjJjMGM4NGE4NzliZDM3NjcwYWU0ZjUzOGElMkZhdWRpb3B1Yi1wb2RjYXN0cyUyRmJzJTJGMjAyMCUyRmolMkZCJTJGcm1RQWVsUUxpSGdBY3RQUlRzOFElMkZvLWFzc3VudG8uanBnJmF1ZGlvVVJMPWh0dHBzJTNBJTJGJTJGdHJhZmZpYy5vbW55LmZtJTJGZCUyRmNsaXBzJTJGNjUxYTI1MWUtMDZlMS00N2UwLTkzMzYtYWM1YTAwZjQxNjI4JTJGMDQ1NjFiNDMtNzUzZC00Nzg0LThlMTktYWM4YjAwZTg2NDExJTJGMjVmOGZhMGMtMWFkZC00OGQ2LThkNDEtYWQ3MjAwNTYzMjFhJTJGYXVkaW8ubXAzJmR1cmF0aW9uPTE1MjQuMTE0JmF1dGhvcj1HMSZlcGlzb2RlVGl0bGU9QStwYW5kZW1pYStkb3MrbiVDMyVBM28tdmFjaW5hZG9zJnBvZGNhc3RUaXRsZT1PK0Fzc3VudG8mcHVibGlzaGVkQXQ9MjAyMS0wNy0yN1QwNSUzQTE0JTNBNDJaJnNoYXJlVXJsPWh0dHBzJTNBJTJGJTJGZzEuZ2xvYm8uY29tJTJGcG9kY2FzdCUyRm8tYXNzdW50byUyRiIsInVybF9vbW55IjoiaHR0cHM6Ly9vbW55LmZtL3Nob3dzL28tYXNzdW50by0xL2EtcGFuZGVtaWEtZG9zLW4tby12YWNpbmFkb3MvZW1iZWQ/c3R5bGU9YXJ0d29yayZpbWFnZT0xJnNoYXJlPTAmZG93bmxvYWQ9MCZkZXNjcmlwdGlvbj0wJnN1YnNjcmliZT0wJmZvcmVncm91bmQ9MDAwMDAwJmJhY2tncm91bmQ9ZjJmMmYyJmRpc3Q9ZzEtbyZoaWdobGlnaHQ9QzQxNzBDIiwidXJsX3JjIjoiaHR0cHM6Ly9zMy5nbGJpbWcuY29tL3YxL0FVVEhfMTRjZTFkYmViYmU2NGIxZThlOTU1ODA5YTA4NTY5MmQvd2ViLWNvbXBvbmVudHMvcHJvZC9yYy93aWRnZXQtcmMuaHRtbD9wcm9kdWN0TmFtZT1nMSZwcm9kdWN0Q29sb3I9JTIzQzQxNzBDJmFydHdvcmtVUkw9aHR0cHMlM0ElMkYlMkZzMy5nbGJpbWcuY29tJTJGdjElMkZBVVRIXzU5ZWRkNDIyYzBjODRhODc5YmQzNzY3MGFlNGY1MzhhJTJGYXVkaW9wdWItcG9kY2FzdHMlMkZicyUyRjIwMjAlMkZqJTJGQiUyRnJtUUFlbFFMaUhnQWN0UFJUczhRJTJGby1hc3N1bnRvLmpwZyZhdWRpb1VSTD1odHRwcyUzQSUyRiUyRnRyYWZmaWMub21ueS5mbSUyRmQlMkZjbGlwcyUyRjY1MWEyNTFlLTA2ZTEtNDdlMC05MzM2LWFjNWEwMGY0MTYyOCUyRjA0NTYxYjQzLTc1M2QtNDc4NC04ZTE5LWFjOGIwMGU4NjQxMSUyRjI1ZjhmYTBjLTFhZGQtNDhkNi04ZDQxLWFkNzIwMDU2MzIxYSUyRmF1ZGlvLm1wMyZkdXJhdGlvbj0xNTI0LjExNCZhdXRob3I9RzEmZXBpc29kZVRpdGxlPUErcGFuZGVtaWErZG9zK24lQzMlQTNvLXZhY2luYWRvcyZwb2RjYXN0VGl0bGU9TytBc3N1bnRvJnB1Ymxpc2hlZEF0PTIwMjEtMDctMjdUMDUlM0ExNCUzQTQyWiZzaGFyZVVybD1odHRwcyUzQSUyRiUyRmcxLmdsb2JvLmNvbSUyRnBvZGNhc3QlMkZvLWFzc3VudG8lMkYifQ==&channel=desktop

“Depois que atingirmos a população acima de 18 anos toda vacinada com a primeira dose da vacina. Após, aí [vem] a estratégia de redução do intervalo de doses do imunizante que tem evidência científica para essa redução, que é a vacina Pfizer, aprovada na Anvisa”, disse o ministro.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Queiroga concedeu entrevista ao lado de Carlos Lula.

Mais cedo, também nesta terça-feira, Carlos Lula já havia defendido que a redução apenas a partir de setembro e disse à Globo News que “foi tomado de surpresa”:

“Esse tema tinha sido levado ao debate na câmara técnica e tinha sido decidido que não era possível fazer isso nesse momento”.