Admissão torta; em live, Bolsonaro defende Ribeiro: “Não foi corrupção da forma como estamos acostumados a ver”

Jair Bolsonaro disse que Milton Ribeiro praticou corrupção, mas que o caso não ocorreu “da forma que estamos acostumados”. “Não foi corrupção da forma que estamos acostumados a ver, foi ‘essa história de fazer’ tráfico de influência, é algo comum”, disse o presidente. A fala ocorreu durante a live semanal do mandatário nesta quinta (23).

Ao defender o suposto crime cometido por seu ex-ministro, ele se vangloria que o caso não foi similar a casos que ocorreram “em governos anteriores”, como obras superfaturadas.

https://platform.twitter.com/embed/Tweet.html?dnt=true&embedId=twitter-widget-0&features=eyJ0ZndfdHdlZXRfZWRpdF9iYWNrZW5kIjp7ImJ1Y2tldCI6Im9mZiIsInZlcnNpb24iOm51bGx9LCJ0ZndfcmVmc3JjX3Nlc3Npb24iOnsiYnVja2V0Ijoib2ZmIiwidmVyc2lvbiI6bnVsbH0sInRmd190d2VldF9yZXN1bHRfbWlncmF0aW9uXzEzOTc5Ijp7ImJ1Y2tldCI6InR3ZWV0X3Jlc3VsdCIsInZlcnNpb24iOm51bGx9LCJ0Zndfc2Vuc2l0aXZlX21lZGlhX2ludGVyc3RpdGlhbF8xMzk2MyI6eyJidWNrZXQiOiJpbnRlcnN0aXRpYWwiLCJ2ZXJzaW9uIjpudWxsfSwidGZ3X2V4cGVyaW1lbnRzX2Nvb2tpZV9leHBpcmF0aW9uIjp7ImJ1Y2tldCI6MTIwOTYwMCwidmVyc2lvbiI6bnVsbH0sInRmd191c2VyX2ZvbGxvd19pbnRlbnRfMTQ0MDYiOnsiYnVja2V0IjoiZm9sbG93IiwidmVyc2lvbiI6bnVsbH0sInRmd190d2VldF9lZGl0X2Zyb250ZW5kIjp7ImJ1Y2tldCI6Im9mZiIsInZlcnNpb24iOm51bGx9fQ%3D%3D&frame=false&hideCard=false&hideThread=false&id=1540112332470341633&lang=pt&origin=https%3A%2F%2Fwww.diariodocentrodomundo.com.br%2Fvideo-nao-foi-corrupcao-da-forma-que-estamos-acostumados-diz-bolsonaro-sobre-milton-ribeiro%2F&sessionId=2faad24188cfc0359b903b90cb5ba9d04f175c51&theme=light&widgetsVersion=b45a03c79d4c1%3A1654150928467&width=550pxhttps://e3180342fbaa30e63ed4394a3fbfce88.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Mais cedo, durante a transmissão, o presidente disse que coloca a “mão no fogo” por seu ex-ministro. “Falei que botava a cara no fogo. Exagerei. Mas boto a mão no fogo pelo Milton”, afirmou.

Ribeiro foi preso pela Polícia Federal (PF) nesta quarta (22), mas solto hoje após decisão de desembargador. Ele é investigado por  por corrupção passiva, advocacia administrativa, tráfico de influência e prevaricação em esquema de liberação de verbas do Ministério da Educação.