Abraço de jacaré?; Doria contrata filho de Covas para ser estagiário no governo; mãe já havia sido empregada por prefeito Ricardo Nunes; critério sentimental?; assista

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (9) ter contratado Tomás Covas, filho do prefeito de São Paulo Bruno Covas, como estagiário no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. A divulgação foi feita via redes sociais.

Tomás tem 16 anos e está no primeiro ano do ensino médio. Seu pai morreu em maio, vítima de um câncer.

Segundo o Palácio dos Bandeirantes, Doria “convidou” Tomás para o estágio e obteve autorização da mãe dele para isso, pois as atividades serão no contraturno do período escolar. O filho de Bruno Covas começará o estágio na próxima segunda-feira no gabinete do governador, passando depois pelas secretarias de Governo, Casa Civil, Fazenda e de Desenvolvimento Regional.

G1 questionou o Palácio sobre como é o processo de escolha de estagiários no Executivo estadual, mas, segundo a assessoria, o expediente do setor de recursos humanos já havia se encerrado.

Nas redes sociais, Doria falou:

“Que alegria receber Tomás Covas, filho do meu querido amigo, o saudoso Bruno Covas. Tomás completa hoje 16 anos. Na semana que vem ele começa a estagiar aqui no Governo de São Paulo. Seu pai, Bruno Covas, certamente está muito orgulhoso de você!”

Doria anuncia contratação de Tomás Covas como estagiário no Palácio dos Bandeirantes — Foto: Reprodução

Doria anuncia contratação de Tomás Covas como estagiário no Palácio dos Bandeirantes — Foto: Reproduçãohttps://4177f3a04710234c792cefd7debb6a3b.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Em junho, o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), nomeou a ex-esposa de Bruno Covas e mãe de Tomás para um cargo na Prefeitura de São Paulo. Karen Ichiba de Oliveira foi nomeada para a vaga de “Assessor III” da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Município.

O órgão é uma autarquia de regime especial vinculado ao gabinete do prefeito e foi criado por Bruno Covas (PSDB) em uma lei de 29 de julho de 2020.