À Jovem Pan, Bolsonaro diz que Barroso “mente descaradamente” e avisa que “um dia pode ter o ponto final”; ação diuturna por golpe de Estado

Neste domingo (26), em entrevista ao Programa 4 por 4, o presidente Jair Bolsonaro (PL) rebateu os comentários feitos pelo ex-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, sobre as urnas eletrônicas e o voto impresso no Brasil, dizendo que o ministro ”mente descaradamente”.

No último sábado (25), em Oxford, na Inglaterra, Barroso afirmou que, durante o período em que esteve a frente da Corte Eleitoral – entre 2020 e 2022 -, ele teve que “oferecer resistência aos ataques contra a democracia” e impedir o “abominável retrocesso” que seria a volta do voto impresso com contagem pública manual no país.PUBLICIDADE

“O Barroso, lamentavelmente, é difícil falar isso aí, não é nada pessoal, mas o Barroso mente descaradamente nessas questões. É uma mentira, a gente não admite em lugar nenhum”, relatou o presidente.

De acordo com Bolsonaro, o ministro ainda apoiou o “voto impresso ao lado da urna” em 2017, o que não é a mesma que contagem manual pública de votos, e questionou o motivo do Congresso não ter levantado a iniciativa este ano.

Falando novamente sobre as eleições de 2018, o chefe do Executivo disse que: “Eu queria abrir certos detalhes sobre por que eu não ganhei no primeiro e ganhei no segundo. Mas não vou abrir pra vocês, é uma questão que está bem estudada, bem pronta pra ser divulgada. Mas nós queremos mostrar ao mundo todo o que aconteceu naquele momento”.

Por fim, o presidente voltou a detonar o ex-presidente do TSE, e disse que aceitou ”humilhações” por parte do STF mas que um dia pode dar um ”ponto final” nos ataques.

“Eu não fiz nenhum ataque à democracia, muito pelo contrário. Aceitei até humilhações por parte do STF (…) Mas a gente vai sendo atacado 24 horas por dia, e um dia pode ter um ponto final. Porque a opinião pública tá mais do que sabedora de como alguns do Supremo agem. Essa questão do Barroso, parece que ele está sendo obrigado a falar isso (…) Porque ele não se cansa de mentir.”