À espera de mais chuvas, Doria diz para pessoas ficarem em casa, mas depois apela para que troquem áreas de risco por albergues; 12 mortos

BR: O governador João Doria fez nesta segunda-feira 11 dois apelos diferentes para a população da Grande São Paulo, castigada em mais de 600 pontos de enchentes e alagamentos. Doze mortes foram anunciadas até às 19h00. Mais cedo, numa declaração que gerou polêmica, o governador tucano pediu para que as pessoas não saíssem de casa esta noite. Mais tarde, fez um apelo para que moradores de barracões instalados em áreas de risco de desmoronamento saiam de suas moradia para se instalarem em albergues públicos nos quais, segundo promessa de Doria, seriam recebidos e alimentados.

“Faço um apelo para as pessoas que moram em locais de risco, um apelo à Defesa Civil para que convençam essas pessoas a irem para os abrigos da Prefeitura. Estamos oferecendo alimento, água, colchões, cobertores. Nesse momento, o maior risco é as pessoas ficarem em suas casas e correrem o risco de perderem suas vidas”, afirmou Doria em entrevista à BandNews.

Na entrevista, o governador ainda informou que foram mobilizados 10 mil agentes da Defesa Civil, cerca de 1.600 homens do Corpo de Bombeiros para atuar na capital e Grande São Paulo. Além disso, a Polícia Militar usa 13 helicópteros Águia para sobrevoar as regiões afetadas pelas chuvas.