A conselho de generais, Bolsonaro planeja reforma ministerial que abre porteira do governo ao centrão; Guedes terá de ‘engolir’ Plano Marshal; Jefferson pode ganhar Ministério do Trabalho redivivo

BR: O presidente Jair Bolsonaro, ao seu modo, resolveu fazer política. A conselho dos generais que estão ao seu lado em cargos chave no Palácio do Planalto, segundo o colunista Tales Faria, do Uol, o presidente está abrindo a porteira do governo para os partidos do centrão. Progressistas, PL e Republicanos devem ser os primeiros a entrar na administração federal, com os cargos a que terão direito já escolhidos. Os presidente dessas siglas já foram avisados de que haverá um pente-fino sobre os nomes dos indicados. Pelo acerto discutido ontem com o governo federal, o PL, de Valdemar Costa Neto, ficará com a presidência do Banco do Nordeste e a secretaria de vigilância em saúde no Ministério da Saúde.

Agora, a informação é a de que o ex-deputado Roberto Jefferson poderá voltar ao poder pela porta do Ministério do Trabalho, que seria recriado. Ao mesmo tempo, uma espécie de Plano Marshal estaria em elaboração, sob a coordenação do ministro da infraestrutura, Tarcísio de Freitas. O ministro da Economia, Paulo Guedes, sofreria uma limitação em seus poderes e teria de “engolir” um plano desenvolvimento, conseguindo os recursos para tanto.