Se existia alguma procedimento do Coaf sobre movimentações financeiras do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept, ele foi sepultado na esteira da decisão de Dias Toffoli que beneficiou nesta terça Flávio Bolsonaro.

O ministro Dias Toffoli, presidente do STF, determinou a suspensão das investigações do órgão sobre o jornalista, ao mesmo em que ordenou o mesmo em benefício do filho 01 do presidente. Para Toffoloi, as investigações só poderão prosseguir após a Corte decidir sobre a constitucionalidade do compartilhamento, com o Ministério Público, de dados sigilosos de pessoas investigadas. O julgamento da questão deve ocorrer em novembro.

A liminar de Toffoli atinge todos os inquéritos e procedimentos de investigação criminal (PIC), apuração interna do MP, que tramitam no Ministério Público Federal (MPF), além dos estaduais, em que não houve prévia decisão judicial para repasse dos dados pela Receita, COAF e Banco Central.