1º emprego formal já chega mais tarde para os jovens brasileiros: só aos 28,6 anos, em média

O primeiro emprego com carteira assinada para o jovem brasileiro está chegando cada vez mais tarde. Entre 2006 e 2014, a idade média era em torno de 25 anos. Hoje, é aos 28,6 anos, segundo pesquisado iDados com base em informações de 2017 da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho. Estudiosos avaliam que esse acréscimo reflete o desemprego maior nesse grupo: em 2018, o índice era de 25,2% para a faixa etária entre 18 e 24 anos, e de 11,6% no total.

O atraso da entrada do jovem no mercado prejudica o financiamento da Previdência. Entre 2012 e 2018, a parcela de jovens de 18 a 24 anos entre os contribuintes caiu de 36,5% para 28,5%, segundo o iDados. A conta inclui trabalhadores dos setores público e privado e autônomos. A formalização tardia também dificulta a aposentadoria desses trabalhadores, que podem não conseguir o tempo mínimo de contribuição quando atingirem 62 anos (mulher) e 65 anos (homem).