Witzel lava as mãos sobre fuzilamento feito por militares contra inocentes; “Não sou juiz da causa”

BR: O governador Wilson Witzel fez como Pôncio Pilatos e lavou as mãos sobre a ação do Exército, no bairro de Guadalupe, na capital do Rio de Janeiro, com oitenta tiros sobre o carro de uma família que ia para um chá de bebê. O músico Evaldo Rosa dos Santos, que conduzia o automóvel, morreu diante da mulher e do filho.  

“Não sou juiz da causa. Não estava no local. Não era a Polícia Militar. Quem tem de avaliar todos esses fatos é a administração militar”, disse Witzel, que insistiu na ausência de qualquer atitude da sua parte, como chefe do Executivo.

“Não me cabe fazer juízo de valor e nem muito menos tecer qualquer crítica a respeito dos fatos. É preciso que a auditoria militar e a Justiça Militar e o Exército façam as devidas investigações. Eu confio nas instituições”, afirmou.