Wagnão, dos metalúrgicos do ABC, dá lição em governador: “Doria não tem de ser corretor de imóveis da Ford”

BR: O governador João Doria, do PSDB, levou do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC uma lição bem aplicada sobre qual deveria ser seu papel na crise aberta com o fechamento da fábrica da Ford, em São Bernardo do Campo. Doria não convidou representantes dos trabalhadores para uma reunião, ontem, no Palácio dos Bandeirantes, com executivos da Ford, na qual acatou passivamente a decisão da empresa. O governo se prestou, porém, a tentar encontrar algum comprador para as instalações físicas da empresa americana.

“O governador tem papel a cumprir que não é ser corretor imobiliário da Ford nem de resolver os problemas da companhia. Seu papel é garantir a manutenção dos empregos na fábrica”, apontou Wagner Santana, o Wagnão. Ele ficou fora da reunião realizada pela manhã no Palácio dos Bandeirantes, da qual participaram Doria, Lyle Watters, CEO da Ford América do Sul; Rogélio Golfarb, vice-presidente da empresa; Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Infraestrutura; e Orlando Morando (PSDB), prefeito de São Bernardo.

Na entrevista coletiva em que anunciou que irá colocar a máquina do estado para tentar vender as instalações da Ford, Doria procurou justificar o não convite aos representantes dos trabalhadores, sem dúvida os mais prejudicados pela decisão da Ford, que fechou seus portões um dia depois do anúncio. “Não foi feito o convite porque não era o momento de ter ainda o sindicato participando de reuniões, mas será”, prometeu Doria. “E o sindicato será convidado, sim, para ter uma conversa conjunta. Não só com o governo, mas com a Ford, mas no momento oportuno. Primeiro precisávamos ter o diagnóstico correto para saber em que campo a nossa conversa ocorreria, em que nível e em que perspectiva. Reafirmo que saímos de uma reunião de forma positiva e não de uma forma negativa. Agora temos um cenário melhor, inclusive informações mais tranquilizadoras para os trabalhadores do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo”, disse Doria