Doria segue dica de FHC e procura se afastar “com dignidade” de Bolsonaro, conta Dora Kramer

Dora Kramer, colunista da revista Veja

Nos primeiros tempos de governo Jair Bolsonaro, quando já pensava em se afastar do personagem a quem se abraçou para se eleger governador de São Paulo, João Doria foi ouvir o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e recebeu a seguinte recomendação: “Afaste-se com dignidade”.

Pois Doria tem tido oportunidade de seguir à risca a dica sem maiores esforços. Trabalha à maneira dos ensinamentos de A Arte da Guerra, com a força do adversário. É o próprio Bolsonaro quem fornece matéria-prima para tal. Quanto maiores são as grosserias cometidas pelo presidente, mais João Doria atua para se diferenciar dele a fim de pavimentar o caminho para uma candidatura presidencial identificada com a direita civilizada já em busca de uma alternativa para 2022.

Nesta semana o governador de São Paulo teve e aproveitou duas chances de demonstrar afastamento “com dignidade”. Rechaçou o ataque gratuito e debochado de Bolsonaro à memória de Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, e confirmou para hoje, terça, encontro com o chanceler Jean-Yves Le Drian, que no dia anterior havia sido alvo da descortesia do presidente.

Bolsonaro desmarcara uma audiência com o francês em cima da hora alegando urgências de agenda para aparecer no mesmo horário cortando o cabelo em transmissão pela internet. Uma maneira tosca de manifestar contrariedade com as posições sobre meio-ambiente do governo Emmanuel Macron.