Lava-Jato traída por dentro? Telegram não teve registro de hacker, aponta Monica Bergamo; quem é o ‘Garganta profunda’?

BR: Colunista da Folha de S. Paulo, a jornalista Monica Bergamo dá em primeira mão:

Telegram não apurou vestígio de hackeamento nas contas de Moro, Dallagnol e do grupo de procuradores da Lava-Jato.

Isso indica que, como diz o jornalista Glenn Greenwald, do Intercept, “a fonte” possa ser alguém de dentro ou muito próximo da força-tarefa da Lava-Jato. Alguém da República de Curitiba. Ou muito próximo ao grupo.

O Intercept já havia informado que o vazamento das conversas no Telegram não haviam sido obtidas por um ou mais hackers. Mais um ponto para a publicação, que promete mais revelações a qualquer momento.

Se não foi um hacker, quem é o Garganta Profunda do Intercept?

Se não houve