No braço-de-ferro entre Bolsonaro e Maia, mercado vê semana decisiva para a Previdência

BR: Com a tramitação da Previdência na Câmara praticamente na estaca zero, sem nem mesmo a indicação de um relator na CCJ, o mercado observa com apreensão os movimentos políticos da semana que se inicia amanhã.

O fim de semana foi repleto de sinais de afastamento entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Chumbo grosso foi trocado, nos bastidores e em público. Caso eles não fechem entre si ao menos uma paz armada, com as diferenças resguardadas em nome do andamento da PEC na Câmara, ficará claro que o projeto para fazer mudanças no sistema de aposentadorias que economize R$ 1 trilhão em dez anos não será aprovado nestes termos. Sem um mínimo entendimento entre os dois principais líderes do processo, o risco de a PEC sofrer dezenas, talvez centenas de emendas passa a ser muito alto, indicando a sua desfiguração.

O mercado não vai gostar nada desse indicativo, e as oscilações na Bolsa, no dólar e nas expectativas verificadas nos últimos dias só irão se acentuar. Depois pode ser tarde demais para se fazer a pax.