Alckmin acorda no último dia como presidente do PSDB e desce do muro de Bolsonaro: “Oportunista” e “desleal”

BR: O despertador parece ter tocado um pouco tarde demais para o agora ex-presidente do PSDB Geraldo Alckmin. Depois de fazer uma gestão sem brilho, o ex-governador resolveu, finalmente, criticar durante a convenção tucana, nesta sexta-feira 31, em que passou o comando da legenda ao ex-ministro Bruno Araújo, o presidente Jair Bolsonaro.

Alckmin chamou o presidente de “oportunista” e “desleal” por atacar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e as instituições mesmo estando há 30 anos na política.

Alckmin discursou durante a convenção nacional do PSDB, onde transmitiu a presidência do partido para o ex-ministro Bruno Araújo. Maia estava presente no evento.

Na semana passada, Maia foi um dos principais alvos de manifestações convocadas por apoiadores de Bolsonaro, que tiveram muitas críticas ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro apoiou as manifestações, dizendo que elas eram um “recado àqueles que teimam com velhas práticas”, mas ressaltou não concordar com pedidos de fechamento do Congresso e do STF. O presidente não criticou Maia, mas a relação entre os dois já passou por diversos atritos desde o início do governo.

“Tem a minha solidariedade, Rodrigo Maia, desses oportunistas, políticos por 30 anos, ele e a família inteira, e em uma deslealdade vem atacar a vida dos homens públicos, jogando a sociedade contra as sua instituições”, afirmou Alckmin, no encerramento da convenção.

O tucano também criticou o PT, dizendo que o petismo e o bolsonarismo são “mentiras que precisam ser enfrentadas”.

“Nós não temos duas verdades, a extrema-direita e a extrema-esquerda. Temos duas grande mentiras, o petismo e o bolsonarismo. Duas mentiras que precisam ser enfrentadas”, disse.

Alckmin também criticou a política de flexibilização do posse e porte de armas que tem sido adotada por Bolsonaro, afirmando que “querer aumentar a distribuição de armas é uma irresponsabilidade”. ffffffffffff