60º fase da Lava-Jato prende tucano Paulo Preto e busca e apreende em endereços do ex-chanceler Aloysio Nunes

A Polícia Federal faz nesta terça-feira 19 a 60ª fase da Operação Lava Jato, denominada “Ad Infinitum”. Paulo Vieira de Souza, operador financeiro ligado ao PSDB, foi preso em São Paulo e levado para Curitiba. A PF também cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao ex-senador pelo PSDB Aloysio Nunes Ferreira Filho.

A PF também cumpre 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo. Além dos mandados, foram bloqueados ativos financeiros dos investigados. A operação é feita com base em depoimentos de doleiros e funcionários da Odebrecht em fases anteriores da Lava Jato.

Na semana passada, o ministro Gilmar Mendes, do STF, remeteu à primeira instância processo que podia condenar Paulo Preto a 99 anos de prisão. Nesta terça-feira 19, porém, o caso que motivou a operação é outro.

As transações investigadas superam R$ 130 milhões, que correspondiam ao saldo de contas controladas por Paulo Vieira de Souza na Suíça no início de 2017.

Segundo as primeiras informações divulgadas pela PF, o objetivo da operação é apurar um complexo e sofisticado método de lavagem de dinheiro envolvendo repasses milionários ao chamado Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. O esquema investigado operou entre 2010 e 2011, para que a empreiteira desse dinheiro a campanhas eleitoras e pagasse propina a agentes públicos e políticos no Brasil.

O nome da operação remete ao fato de o caso parecer tratar de mais uma repetição do modo de atuação de alguns integrantes da organização criminosa, remetendo a um ciclo criminoso que nunca termina. Ao todo, 46 agentes da PF cumprem os mandados em dez locais, nas cidades de São Paulo, São José do Rio Preto, Guarujá e Ubatuba, todas em São Paulo. Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba-PR. A operação é feita em cooperação com o Ministério Público Federal e a Receita Federal.