epa05312902 Venezuelan President Nicolas Maduro speaks during a press conference at the Miraflores Presidential Palace in Caracas, Venezuela, 17 May 2016. Maduro denounced the violation of Venezuelan airspace by US airplanes that flew over illegally two times in the last week. EPA/MIGUEL GUTIERREZ

Exclusivo: radares de mísseis terra-ar russos posicionados na fronteira com o Brasil dão a Maduro controle do tráfego de Manaus e Boa Vista

Paulo José Jarava, para o BR:_ Além de fechar as fronteiras com o Brasil e posicionar tropas e tanques junto à barricadas, o regime de Nicolás Maduro posicionou o sistema de mísseis russos terra-ar S-300 VM a 11 km de Pacaraima, Roraima. Muito perto, portanto. Os radares desse sistema russo são poderosíssimos e criam, na prática, uma área de exclusão aérea com raio de 300 km. Esse raio atinge os aeroportos de Boa Vista (RR) e Manaus (AM). Este último sedia a Ala 8 da base da Força Aérea Brasileira (FAB), onde estão os 12 Mi-35 (também russos), únicos helicópteros de ataque das FFAAs, além de super-tucanos, aviões de ataque.

O movimento das forças de Maduro significa que elas já controlam os movimentos na fronteira de forças da FAB e do Exército Brasileiro, incluindo o famoso batalhão de selva de Manaus, que poderia ser transportado por Helicópteros da Helibras, recém incorporados. Na prática, também quase todo tráfego aéreo que sobrevoa Manaus e Boa Vista passa a ser controlado por Maduro. É uma tremenda humilhação.

O EB e a FAB já não podem se deslocar por ar sob risco de abate imediato pelos mísseis russos.

O que isto significa? Que se houver um ataque vindo do Brasil, Colômbia ou Curaçao vai ter de ser por terra, já que as outras fronteiras também estão com o mesmo sistema de defesa russo.

Por terra os invasores, quer colombianos, brasileiros ou americanos, vão ter de enfrentar o exército venezuelano e os 2.000 milicianos bolivarianos espalhados pela floresta amazônica armados com fuzis Kalachnikov. É muito amargo como brasileiro ter que admitir esta humilhação internacional a que nossas FFAAs estão sendo submetidas, mas quando aceitaram respaldar este bando de psicopatas que estão no poder, também aceitaram os riscos.

Agora está explicado por que Mourão não queria que a “ajuda humanitária” dos EUA fosse enviada para Pacaraima, depois do fechamento da fronteira. Ele, como antigo adido militar em Caracas junto à embaixada brasileira, sabia que isto poderia ocorrer. Agora já era.