UNE convoca megamanifestações para o dia 30; Bolsonaro chamar estudantes de “idiotas úteis” acirrou ainda mais os ânimos

BR: ‘A UNE somos nós, nossa força, nossa voz’. O velho e bom slogan não foi ouvido nas manifestações estudantis que tomaram o País nesta quarta-feira 15, mas é certo que a União Nacional dos Estudantes recuperou numa só tarde muito do tempo perdido nos últimos anos.

Mesmo sem liderar a greve nas universidades federais, a entidade conseguiu se destacar em sua organização e, especialmente, aliar-se à concorrência de novas correntes estudantis que renegam seu viés partidário de esquerda. Junto aos demais grupos organizados entre os estudantes, a UNE não foi protagonista de nenhuma cena que explicitasse uma divisão no movimento. Incorporou-se, assim, ao grande momento.

Rápida na avaliação política de que os protestos foram um grande sucesso, a UNE aproveitou a deixa radical do presidente Jair Bolsonaro, que chamou os estudantes de “idiotas, imbecis e massa de manobra”, e chamou ela própria um megaprotesto contra o presidente no próxima dia 30.

Nada como a experiência: a UNE foi fundada em 1937.