Para Hitler, Bolsonaro seria “um idiota” por chamar nazismo de esquerda; está no ‘Minha Luta’

Aventuras na História_ Qualquer um que já leu uma obra ou um discurso de Hitler sabe seus profundo ódio anticomunista. Para o ditador, o marxismo e as ideologias de classe deveriam ser exterminadas para que se implantasse um sistema verdadeiramente nacionalista, racista e corporativista, associado à ideologia de direita. Porém, mesmo em sua época, muitos confundiam as políticas corporativas e autocráticas da proposta nazista com lógica comunitarista e planificadora do comunismo marxista.

Para Hitler, essa confusão era, no mínimo, hilária — em especial a falta de percepção e a deslealdade argumentativa dessa assertiva. Ele chegou a escrever em seu best-seller “Minha Luta”: “Quantas boas gargalhadas demos à custa desses idiotas e poltrões burgueses, nas suas tentativas de decifrarem o enigma da nossa origem, nossas intenções e nossa finalidade! A cor vermelha de nossos cartazes foi por nós escolhida, após reflexão exata e profunda, com o fito de excitar a esquerda, de revoltá-la e induzi-la a frequentar nossas assembleias; isso tudo nem que fosse só para nos permitir entrar em contato e falar com essa gente.”

Os ideais comunistas presentes na retórica marxista eram de total repulsa para o político austro-alemão. Toda a proposta globalista e estritamente associada à vontade pela igualdade entre todos, como defendem os bolchevistas, ou mesmo as iniciativas ainda nacionalistas da atuação dos sociais-democratas na política alemã eram completamente incompatíveis com o mundo hierárquico e verticalmente organizado defendido pelos nazistas. Mesmo que as principais experiências do socialismo real tenham sido tão autoritárias quanto a ditadura nazista.
Essa posição fica bastante clara no capítulo “A Luta com os Vermelhos”, em que Hitleranalisa a relação ideal a se estabelecer entre o “povo alemão” e as ideologias classistas de esquerda, colocando a necessidade do combate contra o marxismo “impregnado” na sociedade alemã. O autor denuncia a confusão criada entre o Partido Nazista e os próprios inimigos da esquerda. Achava que isso era resultado de um pensamento superficial e incapaz de maior complexidade, que seria “normal” entre “burgueses comuns”, distante da realidade política séria. Hitler descreve também o choque causado nessa burguesia pelo uso do vermelho pelos nazistas.
A posição era igual a de seu braço direito durante o regime, Josef Goebbels, num livreto de propaganda em 1926, quando o publicitário e político colocou que o marxismo teria teorias fatais para os povos e raças, sendo, por isso, “exatamente o oposto do [nacional] socialismo”.

Hitler, assim como Goebbles, coloca sempre o marxismo como uma doença degenerada ou uma praga destrutiva contra o cidadão alemão. Hitler defendia o aniquilamento dos socialistas, anarquistas e esquerdistas em geral. Toda sua obra e vida política foram marcadas pela busca do extermínio do “mal marxista”. Do mesmo modo, durante o governo de Hitler (1939-1945), milhões de membros de movimentos de esquerda foram mortos ou torturados nos campos.