Força-tarefa desdenhou de delação de Palocci por falta de provas: “Ele fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, ironiza procurador

BR: A delação do ex-ministro Antônio Palocci, que não foi aceita pela força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, mereceu ironias dos procuradores federais desde que foi formulada. Novos diálogos extraídos do aplicativo de mensagens Telegram, divulgadas na edição de hoje da Folha de S. Paulo, revelam que a disposição do ex-ministro em distribuir acusações sem provas nunca foi levada a sério pelos integrantes do MPF, assim como pelo então juiz Sergio Moro.

Numa das conversas divulgadas hoje, dois procuradores consideração que a delação não se sustenta. “Não só é difícil provar, como é impossível extrair algo da delação dele”, escreveu a procuradora Laura Tessler. “O melhor é que [Palocci] fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, declarou Antônio Carlos Welter.

A Polícia Federal, no entanto, considerou a delação plausível e obteve sua homologação pelo ministro Edson Fachin, do STF.