Assim como se encantou com Trump, Bolsonaro chama Netanyahu de “irmão”, diz que ama Israel e muda parte da embaixada para Tel Aviv

Ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a quem chamou de “irmão”, o presidente Jair Bolsonaro afirmou duas vezes em hebraico “eu amo Israel”. Bolsonaro enfatizou que a cooperação nas áreas de segurança e defesa interessam muito ao Brasil.

Bolsonaro anunciou a criação de um escritório de negócios do Brasil em Tel Aviv, retirando parte das atribuições da embaixada brasileira em Jerusalém.

“Pretendemos aproximar nossos povos, nossos militares, nossos estudantes, nossos cientistas, nossos empresários e nossos turistas”, disse, depois de participar de honras militares, ouvir os hinos nacionais, fazer revista da guarda de honra e cumprimentar as delegações.

Bolsonaro agradeceu Netanyahu por ter comparecido à cerimônia de sua posse, em janeiro, e ressaltou que foi essa foi a primeira visita de um chefe de governo israelense ao país. O presidente também agradeceu a ajuda do primeiro-ministro na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, que ocorreu em 25 de janeiro. “Isso jamais será esquecido.”

Bolsonaro lembrou que Brasil e Israel se afastaram no passado, mas que agora está firmemente decidido em fortalecer a relação entre os dois países. “Mas Deus sabe o que faz, e voltamos”, disse, acrescentando que as duas nações prezam a democracia e que podem alcançar grandes feitos.

No início de sua fala, de seis minutos, Bolsonaro lembrou que seu nome também é Messias e recordou outras visitas que fez ao país, inclusive quando foi batizado no rio Jordão. “Foi uma emoção com compromisso, uma fé verdadeira, que me acompanhará pelo resto da vida”, descreveu.

Ele relatou ainda que falou várias vezes durante a campanha que Israel não é tão rico como o Brasil em recursos naturais e “outras coisas”. “Mas olha o que eles não têm e o que são. Olhe o que nós temos e o que não somos”, comparou.

O presidente também disse que dois milagres aconteceram com ele. O primeiro é estar vivo, após a facada que levou em Juiz de Fora (MG), quando ainda era candidato. O segundo foi ser eleito. “Fui eleito presidente com um clima hostil a minha pessoa, mas eu tinha uma coisa que eles não tinham: o povo ao meu lado.”

Agenda
O presidente Jair Bolsonaro embarcou para Israel neste sábado (30). Na tarde deste domingo (31), ele vai se reunir com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Há previsão de uma declaração conjunta às 19h15 no horário local — 13h15 no horário de Brasília. Antes disso, o presidente deve assinar acordos entre os países.

Acompanham Bolsonaro na viagem os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque; de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes; de Relações Exteriores, Ernesto Araújo e do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, além do chefe do Estado Maior das Forças Armadas, Brigadeiro Raul Botelho; o secretário de Agricultura e Pesca, Jorge Seif Junior; os senadores Flávio Bolsonaro (PSL-SP), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Chico Rodrigues (DEM-RR) e a deputada Bia Kicis (PSL-DF).