Chabu na homenagem a Bolsonaro em Nova York só cresce: Financial Times retira patrocínio ao evento; senador cria abaixo-assinado para cancelar jantar de gala

BR: Nada vai bem com a homenagem ao presidente Jair Bolsonaro, em Nova York, promovida pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. Escolhido como Homem do Ano, um a um os apoios do evento vão caindo. Nos últimos dias, a companhia aérea Delta Airlines e a consultoria Bain retiraram suas presenças como patrocinadoras do jantar de gala. Nessa quinta-feira, o mesmo anúncio de retirada de apoio financeiro ao evento foi feito pelo jornal Financial Times, um dos mais influentes sobre a economia do mundo. Tudo porque a imagem de Bolsonaro está diretamente associada à homofobia, à oposição à diversidade social e a males ambientais, como o incentivo ao desmatamento e à redução de reservas indígenas.

Ao mesmo tempo, o senador americano Brad Hoylman, do partido Democrata, criou um abaixo-assinado para que o público de Nova York peça o cancelamento de uma vez por todas a festa ao presidente brasileiro. O prefeito da cidade, Bill de Blasio, foi o primeiro a demonstrar sua insatisfação com o jantar em homenagem a Bolsonaro, alegando que ele representa valores opostos aos da maior cidade americana, reconhecida pela coexistência pacífica entre cidadãos das mais diferentes orientações políticas e sexuais.

Por enquanto, mas igualmente sob o pressão, o jantar, a ser realizado dentro de duas semanas, está mantido para o hotel Marriott Marquises, em Times Square. Já se realizam, no entanto, protestos diante do endereço, como forma de pressão para a desistência da empresa em sediar a festa.

Antes, o Museu de História Natural, primeiro, e o Cipriani Hall, em seguida, anunciaram suas recusas a sediar o evento, divulgando críticas ao presidente brasileiro por suas posições ultraconservadoras.

O Palácio do Planalto segue sem fazer comentários a respeito das constrangedoras desistências. Do presidente Bolsonaro, o que se tem é uma frase feita no período em que o Museu de História Natural, no mês passado, anunciou que não sediaria o jantar:

“Recebo a homenagem até na praia”, disse Bolsonaro