Ciúmes do DEM, do Novo e críticas da equipe econômica irritam bancada do PSL

O Palácio do Planalto tem um incêndio para apagar na bancada do PSL na Câmara. Parlamentares da legenda demonstram incômodo com as críticas da equipe econômica e de aliados à atuação na Câmara e na CCJ. Eles se sentem preteridos.

“Não há orientação nenhuma, estamos sendo injustiçados”, diz o deputado Júnior Bozzela (PSL-SP). Um elogio do ministro Paulo Guedes à atuação do partido Novo abriu caminho para que a irritação do PSL fosse externada. “Ficou claro que o partido escolhido pelo governo foi o DEM e agora, o ministro enaltece o Novo”, aponta o deputado Alexandre Frota (PSL-SP).

“O governo só lembra do PSL quando convém”, completa ela. Bozzela, por seu lado, lembra que o DEM e o Novo têm ministérios, enquanto o PSL não tem nenhum. “Por que eles (DEM e Novo) não fizeram o papel deles na CCJ?”, questiona Bozzela.

Na próxima semana, a CCJ vota o relatório da PEC da Previdência e a frustração do PSL pode atrapalhar novamente os planos do governo pela aprovação.