Antes radical contra foro privilegiado no STF, agora ministro do Turismo quer seu caso no… STF

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG), recorreu ao foro especial e pediu ao STF que a investigação sobre candidatas-laranjas do PSL aberta em Minas Gerais passe a tramitar perante a corte. O ministro é alvo direto da apuração da Promotoria mineira. A defesa do ministro quer que, até que o STF decida sobre a prerrogativa de foro, a apuração do Ministério Público em Minas seja suspensa. Antes de ser ministro, Marcelo Álvaro fez campanha cerrada pelo fim do foro privilegiado aos detentores de cargos e mandatos eletivos.

O pedido foi sorteado para o ministro Luiz Fux, que cuidará da relatoria.

A reclamação do ministro foi apresentada ao Supremo na última quinta (14), quando foi divulgada a informação de que o MP em Minas abriu investigação sobre o esquema de candidatas-laranjas ligado a Álvaro Antônio.

Na campanha eleitoral, em 2018, o então candidato Marcelo Álvaro Antônio se colocou a favor do fim do mecanismo na Câmara dos Deputados. Ele chegou inclusive, a produzir e distribuir material de campanha em que exaltava essa posição.

“Quem me conhece sabe que, como parlamentar, sempre ouvi as pessoas antes de tomar decisões. Para quem ainda não conhece meu trabalho, eis minha posição diante de importantes votações que passaram pela Câmara”, publicou em 17 de setembro de 2018 no Twitter.