Bolsonaro perde 5 batalhas em 5 frentes na Câmara e no Senado; presidente só apanha de deputados e senadores

BR: Se a articulação política do governo demandasse uma nota de classificação, sem dúvida esta nota seria zero. Por mais que o governo use a estratégia de ignorar os reveses sofridos por seus projetos na Câmara e no Senado, o certo é que eles se acumulam de forma humilhante para os responsáveis pela base governista, a começar pelo próprio presidente.

Apenas ontem, o governo amargou derrotas consolidadas ou projetadas para o curto prazo em quatro frentes de batalha.

No Senado, o presidente Davi Alcolumbre devolveu ao governo o texto que tira a demarcação de terras indígenas da Funai, frustrando assim a sonhada transferência dessa atribuição para o Ministério da Agricultura.

Na Câmara, tudo estava pronto para a derrubada dos dois decretos presidenciais sobre posse e porte de armas, tanto que o próprio Bolsonaro, antevendo a derrota, resolveu revogá-los em edição extra do Diário Oficial da União.

Nas duas Casas, o anunciado veto de Bolsonaro à criação de uma lista tríplice para nortear indicações em agências reguladoras já tem articulação avançada para ser derrubado quando voltar ao Congresso para apreciação.

Na CCJ da Câmara, nada menos que 17 deputados foram retirados da sessão de ontem, em coordenação feita pelo deputado Paulo da Força, para protelar a apreciação da MP que estabeleceu o fim da cobrança da contribuição sindical por meio do desconto em folha de pagamento. Com isso, o texto, que caduca na próxima sexta-feira, deverá perder a validade sem ter sido apreciado, como desejava o Palácio do Planalto.

Por fim, e sempre no dia de ontem, o Senado instalou uma comissão para apurar a disseminação de fake news pelos meios eletrônicos. Esse tipo de investigação não interessa ao governo, uma vez que o então candidato a presidente Bolsonaro é acusado de ter usado de notícias falsas para impulsionar sua candidatura.

O presidente pode correr para o abraço junto a seus públicos específicos, como religiosos pentecostais e antipetistas empedernidos, mas no Congresso, onde os grandes assuntos são decididos, só acumula dissabores. fffffffffffff