Deltan ameaçado de seguir à frente da Lava-Jato; Toffoli e Mendes estudam represália à bisbilhotices a mando do procurador; “Passaram dos limites”, diz corregedor do CNJ

BR: O procurador Deltan Dallagnol pode não resistir no cargo de coordenador da força-tarefa da Operação Lava-Jato. Isso porque as reações no Poder Judiciário aos diálogos divulgados hoje, nos quais se revela que ele mandou procuradores obterem informações sobre o ministro Dias Toffoli, sua mulher Roberta e, também, a respeito de Dagmar Mendes, mulher do ministro Gilmar Mendes, provocaram repulsa entre os magistrados. Não havia nenhum processo legal que amparasse o pedido de informações determinado por Dallagnol.

À jornalista Monica Bergamo, o ministro do STF e corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Humberto Martins, afirmou que a força-tarefa, com essa atitude, “passou dos limites”.

As reações mais fortes e esperadas, porém, deve surgir do próprio Toffoli, hoje presidente do STF e principal alvo de Dallagnol, e de Gilmar Mendes, que teria ficado furioso com a bisbilhotice sobre sua mulher.

Segundo o colunista Tales Faria, do Uol, Toffoli e Mendes conversaram pela manhã e decidiram reagir com a cabeça fria, esperando o tempo passar. É esperado que reagam a partir das 14 horas, no plenário do Supremo, na sessão que marca o retorno do recesso do Judiciário.

Vem chumbo grosso sobre Dallagnol.