BR: A conclusão do inquérito de 600 páginas feito pela Polícia Federal sobre o caso Marielle Franco é a de que houve obstrução propositada nas investigações. O relatório está sob análise da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e será encaminhado ao Grupo de Atuação Especial no Combate à Organizações Criminosas (Gaeco).

O ex-policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, e a advogada dele, Camila Nogueira, prestaram, segundo o inquérito, informações falsas para desviar as investigações do rumo certo. Isso aconteceu quando Ferreirinha acusou o miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando da Curicica, de ter interesse no crime que matou a vereadora e seu motorista, na Anderson Gomes.

A PF apurou que a acusação era falsa e tinha por objetivo criar problemas para Curicica e abrir caminho para Ferreirinha dominar a milícia daquela região do Rio de Janeiro.