Com Bolsonaro de volta, 01, 02 e 03 já atuam como tropa de elite do pai e atiram para todos os lados

Br2Pontos _ O presidente Jair Bolsonaro e, especialmente, seus filhos 01, 02 e 03 protagonizaram a agitação política desta quarta-feira 13, em Brasília. Eles mostraram que podem fazer muita confusão como integrantes da tropa de elite do pai – e que atiram para o lado em que estão virados.

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro voltava entre aplausos em voo comercial São Paulo-Brasília, para reacomodar-se no Palácio da Alvorada, após ter alta no final da manhã do Hospital Albert Einstein, coube ao 02, Carlos, disparar o tiro de maior calibre do dia. Direcionado ao meio do peito do secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebbiano, pode ter sido letal.

“Mentira absoluta” foi como Carlos classificou a versão de Bebbiano dada ao jornal O Globo, segundo a qual ele havia se comunicado três vezes com o presidente na véspera da alta.

À noite, num sinal de que poderá exonerar Bebbiano ainda nesta quinta-feira 14, Bolsonaro reproduziu o tuíte do 02 em sua própria conta na rede social. Deixando claro que concordava com um de seus garotos.

Acuado, o ainda secretário-geral da Presidência tentou ao longo do dia mostrar que segue bem com o chefe, mesmo cercado por todos os lados pela crise aberta dentro do PSL pela descoberta do uso de uma candidata laranja, nas eleições de 2018, em Pernambuco, o que proporcionou um desvio de R$ 400 mil do Fundo Partidário.

Carlos procurou com seu fogo cerrado não deixar que a versão de Bebbiano prosperasse. Entretanto, seu inimigo comprou a briga, e retrucou, usando suas fontes na mídia, que não apenas falou, como o presidente lhe pediu para cancelar uma ida ao Pará e, também, uma reunião pré-agendada com um alto executivo da Rede Globo.

Neste imbróglio, aconteceu ainda de Bebbiano contar com o socorro, quando mais precisava, do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que acorreu com uma frase bastante definitiva: “Bebbiano é sério, responsável e correto”, disse Onyx, que acabou de ser promovido no exército político pessoal do presidente ao vencer a guerra da eleição do Senado, derrotando com a zebra Davi Alcolumbre as tropas do ‘coroné’ Calheiros, das Alagoas.

O problema é que Bolsonaro, o 00, fez seu tuíte retuitando o filho 02 depois de Onyx prestar sua solidariedade a Bebbiano…

O Jornal Nacional, da Rede Globo, exibiu gravação feita pelo 02, no WhatsApp, em que Bolsonaro afirma, com cara de poucos amigos, que não tem planos, tão cedo, de falar com Bebbiano. A propósito, o colunista Lauro Jardim, do Globo, acertou ao comparar Bolsonaro com o presidente americano Richard Nixon, que gravava as próprias conversas, inclusive as feitas por telefone. De tanto fazer isso, suas fitas o enrolaram no caso Watergate, que lhe custou o cargo. O aprendiz de araponga 02 pode estar fazendo o governo de refém desses seus hábitos, alerta Jardim, mas a chance de ele próprio de dar mal com a prática igualmente é alto.

Pitacos de fora do clã _Observando da moita da Câmara o fogo-cruzado, a deputada Joyce Hasselman, uma das estrelas do PSL, também deu seu estampido dentro do remexido universo do Twitter, exigindo que a “lavação de roupa suja” terminasse por ali mesmo. Foi o que também tentou fazer, ao seu modo, o presidente da agremiação, Luciano Bivar. “Não há crise nenhuma”, tentou convencer aos jornalistas que o cercaram no Congresso. “Eu estou concentrado no meu trabalho aqui. Nem sei onde fica o Palácio do Planalto”, ironizou Bivar, referindo-se ao endereço mais famoso do País, que fica exatamente do outro lado da rua em que estão as cúpulas côncava e convexa da Câmara e do Senado.

Bivar intentou uma resposta conciliadora para desviar-se das setas lançadas por Bebbiano, que de seu posto no Planalto passou a atribuir a Bivar a responsabilidade pelo caso da laranja de R$ 400 mil de verba pública e 247 votos. Tentou sair da cena, e talvez consiga. Como deputado federal, a imunidade será seu grande escudo se o caso for adiante. Já Bebbiano, na hipótese bastante discutível de não morrer politicamente pelas balas disparadas por Carlos Bolsonaro, seu destino vai depender do humor do 00. É o que veremos nos próximos movimentos dessa batalha.

01 FRENTE A FRENTE COM PAULO GUEDES _ O 01 Flavio brilhou num palco mais elevado e nobre. Nesta terça-feira 13, usufruindo de sua dupla influência de primogênito do presidente e senador da República, ele almoçou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tomar ciência de detalhes da reforma da Previdência, cujo projeto, prometeu o encarregado do assunto Rogério Marinho, será levado a Bolsonaro já nesta quinta ou, mais tardar, na sexta-feira 14. Podendo entrar no Palácio da Alvorada, residência oficial do 00, sem pedir licença, Flavio deixou claro que quer e já ocupa o espaço de ajudante de ordens do presidente para as reformas econômicas. Nada mal para quem ainda está devendo explicações sobre seu ex-assessor Fabrício Queiroz, aquele que movimentou milhões de reais em conta corrente do banco Itaú quando trabalhava no gabinete do 01 na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O3 DEFENDE A RETAGUARDA _O 03 Eduardo Bolsonaro, que é deputado federal, cumpriu, por seu lado, o estratégico papel de cobrir a retaguarda. No caso, a do irmão 01. “Se não fosse pelo Flavio, esse caso já estaria arquivado”, entoou ele, mais esta vez pelo Twitter, ainda que o principal suspeito da movimentação milionária suspeita, o Queiroz que a esquerda pergunta ‘onde está?’, nem sequer tenha dado um único depoimento ao procuradores do Ministério Público do Rio de Janeiro. Mas é assim, afinal, que alguém da tropa de elite bolsonariana tem mais é de se comportar, certo? Em defesa dos seus!

Por todas estas, um dos mais perspicazes analistas políticos de Brasília, o jornalista Ricardo Noblat, postou em seu blog campeão de audiência: “Eu sabia que ia ser divertido, mas não tanto!”.

E durma-se com um tiroteio desses!!