O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos, o vice-presidente Silvio Costa Filho, e o relator Samuel Moreira, durante sessão de instalação.

Direto de Brasília: “Previdência não vai resolver tudo, mas sem ela não se resolve nada”, diz relator

BR: O segundo dia de discussão sobre o parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB/SP) na Comissão Especial da reforma da Previdência durou 5 horas e, ao contrário da audiência do ministro Sergio Moro na CCJ do Senado, o clima estava ameno. Véspera de feriado, os deputados estavam mais preocupados em viajar para seus estados. Dezenoves parlamentares falaram sobre a matéria, número considerado pequenos diante das mais de cem inscrições feitas.

O relator Moreira ressaltou algumas vezes que não é da base governista, que não faz parte do governo, tentando defender seu parecer. “Nós trabalhamos com a possibilidade, porque a reforma não vai resolver tudo. Também não podemos dizer que tem alguém dizendo que a reforma vai resolver tudo. Não vai resolver tudo. A reforma vai dar condições para que o Governo possa resolver as coisas, porque sem ela não vai resolver. Agora, se ele vai resolver ou não, é outro problema. Eu não sou do Governo, nós não somos do Governo. Esse é um outro problema. Ele vai ter que tomar outras atitudes, mas nós trabalhamos num cenário em que possa haver desenvolvimento e emprego”, disse. 
O deputado também destacou sobre o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) cobrir despesas dos aposentados que essa foi ideia sua. “Eu coloquei esse item até para abrir uma discussão. Essa legislação existe há 30 anos e direciona automaticamente dinheiro para o FAT, já cai ali e vai direto para o BNDES, 40% disso vai direto para o BNDES. Então, eu acho que deve haver um debate melhor sobre isso, porque se empresta para o BNDES e, ao mesmo tempo, contrai-se dívida em outro lugar para cobrir esse buraco com dinheiro do Tesouro. Então, fica meio incompatível emprestar recurso e ao mesmo tempo ficar devendo, pagando mais caro o que se deve. É uma coisa para ser debatida”, concluiu Moreira.
A Comissão especial retoma a discussão do parecer na próxima terça-feira, dia 25. O governo e aliados tentarão acordo para votar o relatório no máximo na quarta-feira (26). Lembrando que a próxima semana principalmente os deputados do Nordeste estarão nas comemorações da Festa de São João. Os deputados Pompeo de Mattos e Chico D’Angelo já apresentaram votos em separado.