Com defesas eletrônicas perfuradas, Bolsonaro chama Moro e PF para tentar contra-ataque; governo assustado

O presidente Jair Bolsonaro recebeu no Palácio do Planalto nesta quarta-feira, 12, o ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública, e o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Esse é o segundo encontro do presidente com o ministro esta semana após o vazamento que envolveu o ex-juiz da Operação Lava Jato, e a primeiro reunião oficial com o diretor-geral da PF.

Tudo sobre vazamento de mensagens entre Moro e o MP

O encontro não estava na agenda oficial de Bolsonaro nem na de Valeixo até 15h, apenas na de Moro – que não informava a presença do diretor-geral. O convite para o encontro com Moro partiu de Bolsonaro no final da manhã desta quarta, segundo o Estadão/Broadcast apurou.

Os dois marcaram para a próxima segunda-feira, às 17h30, a assinatura de uma medida provisória que trata da alienação de bens apreendidos de traficantes. O presidente também convidou Moro a acompanhar com ele nesta noite o jogo entre Flamengo e CSA, pelo Campeonato Brasileiro, no estádio Mané Garrincha.

Procurado, o Planalto não comentou o que foi discutido no encontro entre os três. Até a publicação desta reportagem, a assessoria de imprensa da Polícia Federal não havia respondido os questionamentos. O Estadão/Broadcast mostrou no último domingo, 9, que a Polícia Federal instaurou há cerca de um mês um inquérito para investigar ataques feitos por hackers aos celulares de procuradores da República que atuam nas forças-tarefas da Lava Jato em Curitiba, no Rio e em São Paulo.Veja mais no MSN Brasil:
‘Aqui é o hacker’, diz mensagem em grupo do MP (Estadão)
Maioria do STF veta extinção de conselhos (VEJA.com)
Comissão da Câmara aprova convite para ouvir Moro (Estadão)
Líder diz que PSL não vai defender Onyx (VEJA.com)

Na terça, a primeira reunião entre Bolsonaro e Moro foi classificada como “bastante tranquila”. Nela, o ministro tratou com presidente sobre o vazamento de suposto conteúdo de mensagens trocadas por ele e procuradores da Lava Jato. As informações foram divulgadas pela assessoria da pasta comandada por Moro, segundo a qual Bolsonaro “entendeu as questões que envolvem o caso”.

O comunicado afirma que o ministro fez “todas as ponderações ao presidente, que entendeu as questões que envolvem o caso”. Na nota, a pasta mencionou a situação como “invasão criminosa de celulares de juízes, procuradores e jornalistas”, e informou que Moro “rechaçou a divulgação de possíveis conversas privadas obtidas por meio ilegal e explicou que a Polícia Federal está investigando a invasão criminosa”.

No domingo, o site The Intercept Brasil divulgou o suposto conteúdo de mensagens trocadas por Moro e procuradores. As conversas mostrariam que Moro teria orientado investigações da Lava Jato por meio de mensagens trocadas no aplicativo Telegram. Em viagem a Manaus, o ministro da Justiça afirmou que não via “nada de mais” sobre as mensagens.