PF prende pai e filho italianos procurados pela Interpol por pertencerem a braço da Máfia, a Ndrangheta

A Polícia Federal prendeu na manhã desta segunda-feira dois italianos acusados de integrarem a Ndrangheta, um grupo mafioso da região da Calábria, no Sul da Itália, que trafica drogas na Europa. Os dois alvos, pai e filho, foram presos em uma cobertura de luxo no litoral de São Paulo que tinha paredes falsas e um sofisticado sistema de vigilância, com uma câmera de 360 graus na área externa que permitia ver quem entrava e saía do prédio.Veja mais no MSN Brasil:
Datafolha: 33% aprovam e 33% reprovam Bolsonaro (Poder360)
Frio é causa provável de ao menos 5 mortes em SP (Estadão)
Prefeito de Osasco tem boa evolução após queimadura (VEJA.com)
Moro terá licença para tratar ‘assuntos particulares’ (Estadão)

No imóvel, foram encontrados malas repletas de dinheiro, com euros, dólares e reais (o valor ainda está sendo contado pela PF); três armas de fogo; e passaportes falsos dos envolvidos.

Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, a pedido da Interpol. A operação foi batizada de Barão Invisível. Os alvos estavam foragidos desde 2014, e há indícios de que passaram por Portugal e Argentina antes de virem ao Brasil. Um deles já foi condenado pela Justiça italiana a 14 anos de prisão por tráfico e associação criminosa. A operação contou com a cooperação da polícia italiana.

Bretas diz não poder fazer juízo de valor a respeito das mensagens – publicadas pelo site The Intercept Brasil e veiculadas também pelo jornal Folha de S.Paulo e pela revista Veja – porque, a seu ver, as questões “da ilegalidade e da veracidade” dos diálogos “ainda não estão superadas”. “Ou é legal ou é ilegal. Se é ilegal, é lixo”, afirma.