Ufa! Netanyahu escolhido em Israel para montar no governo; poder garantido

O atual primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu , recebeu hoje a tarefa de formar um novo governo em Israel, após as eleições do dia 17 deste mês, quando nenhum dos candidatos conseguiu votos suficientes para montar sozinho um gabinete. E suas primeiras palavras foram em defesa de um governo de união nacional, ao lado do oposicionista Benny Gantz . Segundo ele, uma “liderança conjunta” seria possível, indicando uma rotação no cargo de premier, mas defendeu uma resolução rápida para “não arrastar o processo”.

AdChoicesPUBLICIDADE

inRead invented by Teads

O partido de Benjamin Netanyahu , há dez anos no poder, ficou em segundo lugar na votação, conseguindo também o apoio de partidos religiosos e de extrema direita, porém em um número aquém do necessário para garantir maioria no Knesset, o parlamento israelense. Tanto que muitos davam como certa a escolha de Gantz, que conseguiu o apoio dos partidos árabes, além da opção mais provável hoje, a de um governo de união nacional.

O problema é que as conversas para a formação desse gabinete Netanyahu-Gantz fracassaram nesta quarta-feira, levando o presidente Reuven Rivlin se decidir pelo atual premier. Para analistas, a escolha foi justamente para forçar os dois a chegarem a um acordo, evitando a terceira eleição geral apenas em 2019. Eles também veem Netanyahu s em força política para seguir no cargo por conta própria.

O cenário de um governo de união também agrada Avigdor Lieberman , que ficou em quarto lugar nas eleições e cujo apoio daria maioria a qualquer um dos lados. Seu partido, o Yisrael Beitenu (Israel Nossa Casa, em hebraico), não recomendou qualquer um dos nomes.

Um outro motivo, talvez o mais urgente, para Netanyahu se esforçar nas negociações são seus problemas com a justiça. Na semana que vem começam as audiências preliminares de três casos de corrupção contra ele, que podem até levá-lo à prisão. Se estiver no governo, não poderá ser obrigado a deixar o cargo, nem mesmo se for indiciado. O partido de Benny Gantz, o Azul e Branco, já disse que não estará no mesmo gabinete de alguém que estiver sendo alvo de um processo na justiça.

Benjamin Netanyahu: veja fotos da trajetória do primeiro-ministro de Israel

1 de 24Foto AnteriorProxima Foto

O líder de direita Benjamin Netanyahu se encontra com jovens ortodoxos durante campanha em Bene Beraq, em maio de 1996, durante campanha eleitoral.
Natanyahu se tornou líder do Likud em 1993 e, em 1996, tornou-se o mais jovem primeiro-ministro da história de Israel, exercendo o cargo, pela primeira vez, até 1999 Foto: Arquivo
O líder de direita Benjamin Netanyahu se encontra com jovens ortodoxos durante campanha em Bene Beraq, em maio de 1996, durante campanha eleitoral. Natanyahu se tornou líder do Likud em 1993 e, em 1996, tornou-se o mais jovem primeiro-ministro da história de Israel, exercendo o cargo, pela primeira vez, até 1999 Foto: Arquivo
Netanyahu, em 2 de junho de 1996, discursa para uma multidão em Jerusalém após ser eleito primeiro-ministro. Em sua fala, clamou por uma "paz com segurança" com seus vizinho árabes. "A paz deve começar em casa, mas deve continuar no estrangeiro", disse Foto: Arquivo
Netanyahu, em 2 de junho de 1996, discursa para uma multidão em Jerusalém após ser eleito primeiro-ministro. Em sua fala, clamou por uma “paz com segurança” com seus vizinho árabes. “A paz deve começar em casa, mas deve continuar no estrangeiro”, disse Foto: Arquivo
Encontro entre primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente palestino, Yasser Arafat, no dia 2 de fevereiro de 1997, em Davos, durante o encontro anual do Fórum Econômico Mundial. Os dois falaram sobre fronteira entre Israel e Faixa de Gaza Foto: Avi Ohayon / Reuters
Encontro entre primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente palestino, Yasser Arafat, no dia 2 de fevereiro de 1997, em Davos, durante o encontro anual do Fórum Econômico Mundial. Os dois falaram sobre fronteira entre Israel e Faixa de Gaza Foto: Avi Ohayon / Reuters
Netanyahu se encontra com o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, em janeiro de 1998, no Salão Oval da Casa Branca Foto: Rick Wilking / Reuters
Netanyahu se encontra com o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, em janeiro de 1998, no Salão Oval da Casa Branca Foto: Rick Wilking / Reuters
Benjamin Netanyahu se encontra com Yasser Arafat durante as negociações de paz no Oriente Médio, em 1998 Foto: Barbara Kinney / AFP / 22/10/1998
Benjamin Netanyahu se encontra com Yasser Arafat durante as negociações de paz no Oriente Médio, em 1998 Foto: Barbara Kinney / AFP / 22/10/1998

Pular PUBLICIDADE

Netanyahu é abençoado pelo rabino Yehoshua Katz em sua chegada a um assentamento judeu na Cisjordânia, em 31 de março de 1998. Netanyahu visitou a área, perto de Jerusalém, um dia após o enviado de paz dos EUA, Dennis Ross, deixar a região, em meio a um impasse entre israelenses e palestinos Foto: David Silverman / Reuters
Netanyahu é abençoado pelo rabino Yehoshua Katz em sua chegada a um assentamento judeu na Cisjordânia, em 31 de março de 1998. Netanyahu visitou a área, perto de Jerusalém, um dia após o enviado de paz dos EUA, Dennis Ross, deixar a região, em meio a um impasse entre israelenses e palestinos Foto: David Silverman / Reuters
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ao lado de sua esposa, Sarah, depois de reconhecer a derrota para o líder do Partido Trabalhista Ehud Barak, em Tel Aviv, em 17 de maio de 1999 Foto: Ruth Fremson /  
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ao lado de sua esposa, Sarah, depois de reconhecer a derrota para o líder do Partido Trabalhista Ehud Barak, em Tel Aviv, em 17 de maio de 1999 Foto: Ruth Fremson /  
O ex-primeiro-ministro durante coletiva de imprensa em 2002, quando anunciou seu retorno ao cenário político no governo de Ariel Sharon, quando serviu no Ministério das Relações Exteriores e, posteriormente, no das Finanças Foto: Sebastian Scheiner / AFP
O ex-primeiro-ministro durante coletiva de imprensa em 2002, quando anunciou seu retorno ao cenário político no governo de Ariel Sharon, quando serviu no Ministério das Relações Exteriores e, posteriormente, no das Finanças Foto: Sebastian Scheiner / AFP
O líder do partido Likud de Israel e ex-primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, vota nas primárias do partido em Tel Aviv, em 12 de janeiro de 2006. Netanyahu reassumiu a liderança do partido em dezembro de 2005, quando Sharon deixou a legenda para fundar o Kadima Foto: Ariel Schalit /  
O líder do partido Likud de Israel e ex-primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, vota nas primárias do partido em Tel Aviv, em 12 de janeiro de 2006. Netanyahu reassumiu a liderança do partido em dezembro de 2005, quando Sharon deixou a legenda para fundar o Kadima Foto: Ariel Schalit /  
Eleito novamento em fevereiro de 2009, Netanyahu se encontra com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em março do mesmo ano. Hillary pressionou sua diplomacia "agressiva" no Oriente Médio, enviando dois representantes para a Síria e prometendo trabalhar para a criação de um estado palestino Foto: RONEN ZVULUN / AFP
Eleito novamento em fevereiro de 2009, Netanyahu se encontra com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em março do mesmo ano. Hillary pressionou sua diplomacia “agressiva” no Oriente Médio, enviando dois representantes para a Síria e prometendo trabalhar para a criação de um estado palestino Foto: RONEN ZVULUN / AFP

Pular PUBLICIDADE

O presidente dos EUA, Barack Obama, se encontra com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, em 20 de maio de 2011. Apelo de Obama para que Israel aceite retornar para as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967, atordoou Netanyahu e esfriou a relação entre os dois líderes Foto: JIM YOUNG / Reuters
O presidente dos EUA, Barack Obama, se encontra com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, em 20 de maio de 2011. Apelo de Obama para que Israel aceite retornar para as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967, atordoou Netanyahu e esfriou a relação entre os dois líderes Foto: JIM YOUNG / Reuters
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, coloca uma nota no Muro das Lamentações, na Cidade Velha de Jerusalém, depois de votar nas eleições parlamentares em 22 de janeiro de 2013.
Netanyahu se tornou o segundo político israelense a ser eleito para um terceiro mandato, atrás apenas de David Ben-Gurion (o fundador de Israel). Nas eleições de 2015, conquistou no voto o quarto mandato Foto: POOL /  
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, coloca uma nota no Muro das Lamentações, na Cidade Velha de Jerusalém, depois de votar nas eleições parlamentares em 22 de janeiro de 2013. Netanyahu se tornou o segundo político israelense a ser eleito para um terceiro mandato, atrás apenas de David Ben-Gurion (o fundador de Israel). Nas eleições de 2015, conquistou no voto o quarto mandato Foto: POOL /  
O Papa Francisco caminha ao lado do presidente israelense, Shimon Peres (esquerda), e do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, durante uma cerimônia de boas-vindas ao chegar ao aeroporto Ben Gurion, em 25 de maio de 2014, perto de Tel Aviv Foto: DAVID BUIMOVITCH / AFP
O Papa Francisco caminha ao lado do presidente israelense, Shimon Peres (esquerda), e do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, durante uma cerimônia de boas-vindas ao chegar ao aeroporto Ben Gurion, em 25 de maio de 2014, perto de Tel Aviv Foto: DAVID BUIMOVITCH / AFP
O presidente francês, François Hollande, cercado por chefes de Estado, incluindo o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, caminha pelas ruas de Paris. No dia 11 de janeiro de 2015, cidadãos franceses se juntaram a dezenas de líderes estrangeiros, entre eles representantes árabes e muçulmanos, em uma marcha em homenagem às vítimas do atentado a tiros contra o jornal satírico Charlie Hebdo Foto: PHILIPPE WOJAZER / AFP
O presidente francês, François Hollande, cercado por chefes de Estado, incluindo o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, caminha pelas ruas de Paris. No dia 11 de janeiro de 2015, cidadãos franceses se juntaram a dezenas de líderes estrangeiros, entre eles representantes árabes e muçulmanos, em uma marcha em homenagem às vítimas do atentado a tiros contra o jornal satírico Charlie Hebdo Foto: PHILIPPE WOJAZER / AFP
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apertam as mãos após discurso no Museu de Israel, em Jerusalém Foto: RONEN ZVULUN / REUTERS / 23/05/2017
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apertam as mãos após discurso no Museu de Israel, em Jerusalém Foto: RONEN ZVULUN / REUTERS / 23/05/2017

Pular PUBLICIDADE

O presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, após declaração conjunta no Palácio do Eliseu, em Paris Foto: STEPHANE MAHE / Reuters / 16/07/2017
O presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, após declaração conjunta no Palácio do Eliseu, em Paris Foto: STEPHANE MAHE / Reuters / 16/07/2017
O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tocam o Muro das Lamentações, o local mais sagrado onde os judeus podem orar, na Cidade Velha de Jerusalém, em 1º de abril de 2019 Foto: MENAHEM KAHANA / Agência O Globo
O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tocam o Muro das Lamentações, o local mais sagrado onde os judeus podem orar, na Cidade Velha de Jerusalém, em 1º de abril de 2019 Foto: MENAHEM KAHANA / Agência O Globo
Netanyahu cumprimenta apoiadores na sede do Likud, em Tel Aviv, na noite de eleição, no dia 10 de abril de 2019 Foto: Thomas Coex / AFP
Netanyahu cumprimenta apoiadores na sede do Likud, em Tel Aviv, na noite de eleição, no dia 10 de abril de 2019 Foto: Thomas Coex / AFP
Netanyahu recebe estudantes durante uma cerimônia de abertura do ano letivo no assentamento judaico de Elkana, na Cisjordânia ocupada por Israel, em 1º de setembro de 2019 Foto: AMIR COHEN / REUTERS
Netanyahu recebe estudantes durante uma cerimônia de abertura do ano letivo no assentamento judaico de Elkana, na Cisjordânia ocupada por Israel, em 1º de setembro de 2019 Foto: AMIR COHEN / REUTERS
O primeiro-ministro israelense em visita ao assentamento judaico de Elkana, na Cisjordânia Foto: AMIR COHEN / REUTERS
O primeiro-ministro israelense em visita ao assentamento judaico de Elkana, na Cisjordânia Foto: AMIR COHEN / REUTERS

Pular PUBLICIDADE

Benjamin Netanyahu e sua esposa, Sara, que toca a parede externa da Caverna dos Patriarcas, um local sagrado para judeus e muçulmanos, durante uma cerimônia em Hebron, na Cisjordânia ocupada por Israel Foto: POOL / REUTERS / 04/09/2019
Benjamin Netanyahu e sua esposa, Sara, que toca a parede externa da Caverna dos Patriarcas, um local sagrado para judeus e muçulmanos, durante uma cerimônia em Hebron, na Cisjordânia ocupada por Israel Foto: POOL / REUTERS / 04/09/2019
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, faz uma declaração em Ramat Gan, perto de Tel Aviv, em 10 de setembro de 2019 Foto: MENAHEM KAHANA / AFP
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, faz uma declaração em Ramat Gan, perto de Tel Aviv, em 10 de setembro de 2019 Foto: MENAHEM KAHANA / AFP
Mulher caminha sob um cartaz eleitoral do partido Likud, que mostra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em Jerusalém. Com mais de 91% dos votos apurados na segunda eleição geral realizada em seis meses em Israel, partidos aliados ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não conseguiram o número de cadeiras necessárias para a formação de um novo governo Foto: AHMAD GHARABLI / AFP
Mulher caminha sob um cartaz eleitoral do partido Likud, que mostra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em Jerusalém. Com mais de 91% dos votos apurados na segunda eleição geral realizada em seis meses em Israel, partidos aliados ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não conseguiram o número de cadeiras necessárias para a formação de um novo governo Foto: AHMAD GHARABLI / AFP
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala durante sua reunião do partido Likud em Jerusalém, nesta quarta-feira (18). Netanyahu cancelou sua visita planejada à Assembléia Geral das Nações Unidas devido ao "contexto político" em Israel Foto: MENAHEM KAHANA / AFP
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala durante sua reunião do partido Likud em Jerusalém, nesta quarta-feira (18). Netanyahu cancelou sua visita planejada à Assembléia Geral das Nações Unidas devido ao “contexto político” em Israel Foto: MENAHEM KAHANA / AFP

Saiba mais

Netanyahu e Gantz concordam em negociar governo de união em Israel


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala com jornalista ao começo de reunião de seu partido Likud nesta segunda: alco de denúncias de corrupção, ele precisa da proteção do cargo
Foto: RONEN ZVULUN/REUTERS

Deputados árabes de Israel decidem endossar Gantz para liderar novo governo

Benny Gantz durante discurso a correligionários após eleições em Israel Foto: Amir Cohen/Reuters

Netanyahu propõe, mas rival rejeita governo de união nacional com o premier no comando

Netanyahu cumprimenta Benny Gantz durante cerimônia em homenagem ao ex-presidente israelense Shimon Peres Foto: GIL COHEN-MAGEN / AFP

Entenda quais são os cenários possíveis depois das eleições em Israel


Combinação de fotos mostra o atual prmeiro-ministro de Israel e líder do Likud, Beijamin Netanyahu, e o líder do partido Azul e Branco, Benny Gantz: maioria dos cenários mais prováveis obrigaria os dois rivais a se unirem para evitar que país fique sem liderança até novas eleições
Foto: EMMANUEL DUNAND/MENAHEM KAHANA/AFP

Obrigado por apoiar o jornalismo profissionalA missão do GLOBO é a mesma desde 1925: levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o Brasil e o mundo. Os assinantes têm acesso ilimitado a mais de 400 reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados diariamente e produzidos de forma independente pela maior redação de jornal da América Latina. Muito obrigado por ter escolhido O GLOBO.

Receba nossas newsletters

Captcha

Trocar imagemcadastrarVeja todas as newsletters Tantas Emoções40 celebridades que colocaram o amor acima da beleza, casando-se com cônjuges ‘feios’Tantas Emoções|PatrocinadoPatrocinadoDesfazerJOLOs lugares mais perigosos e desertos do mundoJOL|PatrocinadoPatrocinadoDesfazerGnesisSuper idosos: Veja a maior descoberta das últimas décadasGnesis|PatrocinadoPatrocinadoDesfazerDesafio MundialMulher grávida cujo seu cachorro não parava de latir para sua barriga recebe notícias alarmantesDesafio Mundial|PatrocinadoPatrocinadoDesfazerTherapy JokerAos 65 anos, John Travolta e sua parceira ainda estão juntosTherapy Joker|PatrocinadoPatrocinadoDesfazer

Mais lidas no Globo

Mais de Mundo

Ver mais Para comentar é necessário ser assinante

Os comentários são de responsabilidade excluisiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal Perguntas mais frequentesTermos de uso Comentar comentários Carregar mais comentários

© 1996 – 2019. Todos direitos reservados a Editora Globo S/A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.