Na linha balança mas não cai, Onyx se reúne com Maia por reforma; Bolsonaro vai gostar?

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, esteve pela manhã desta segunda-feira, 1º, na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo uma fonte, o assunto tratado pelos dois colegas de partido foi a reforma da Previdência. A proposta pode ter sua tramitação concluída na Comissão Especial esta semana, mas ainda há impasses. Maia tenta fechar um acordo com as demais legendas que apoiam a medida para que elas não apresentem destaques que possam “desidratar” a economia esperada com a proposta e assim garantir aprovação antes do recesso parlamentar.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, esteve pela manhã desta segunda-feira, 1º, na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo uma fonte, o assunto tratado pelos dois colegas de partido foi a reforma da Previdência. A proposta pode ter sua tramitação concluída na Comissão Especial esta semana, mas ainda há impasses. Maia tenta fechar um acordo com as demais legendas que apoiam a medida para que elas não apresentem destaques que possam “desidratar” a economia esperada com a proposta e assim garantir aprovação antes do recesso parlamentar.

Disponível para iOS e Android: Templates - App Microsoft Notícias (for spotlight promo)

App Microsoft NotíciasBaixe Agora Publicidade para Android e iOS

Uma das pendências nesse acordo refere-se justamente ao partido de Jair Bolsonaro, o PSL, que ainda estuda se vai apresentar ou não um destaque em favor das carreiras da Segurança Pública nos Estados. A legenda deve decidir a questão ainda nesta segunda. O presidente nacional do partido, Luciano Bivar (PE), já solicitou que a legenda não apresente qualquer pedido de alteração ao texto e que a questão está fechada.Veja mais no MSN Brasil:
As vitórias e derrotas em 6 meses de governo Bolsonaro (BBC News)
PR: corpo de menino vítima de explosão é enterrado (IstoÉ)
Tempestade de granizo deixa cidade coberta por gelo (BBC News)
Papa anuncia data para canonização de Irmã Dulce (Estadão)

Até a última sexta-feira, 28, o PSL ainda estudava atender a uma demanda da chamada “bancada da bala” para afrouxar a regra de transição, o pedágio e a regra permanente para servidores da segurança pública nos Estados. Cerca de 40% dos deputados do PSL são oriundos da área de segurança.

Tenta-se, ainda, um acordo com os governadores. Em troca do apoio deles à reforma, as regras para a Previdência de servidores públicos de Estados e municípios seriam as mesmas que serão aplicadas para os funcionários federais. Com isso, os defensores da reforma poderiam considerar que o projeto teria grandes chances de ser aprovado, pois os governadores convenceriam pelo menos 40 a 50 deputados a dar o voto favorável ao projeto quando for votado pelo plenário.

Amanhã, Maia se reunirá com governadores pela manhã. A leitura do voto complementar do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), está prevista para ocorrer na parte da tarde da terça-feira e a votação do parecer deve ter início na quarta-feira. A expectativa é que a votação na comissão seja finalizada esta semana para que a matéria fique pronta para ir a plenário na próxima semana.

Após se reunir com Maia, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem encontro marcado às 11h com o presidente Jair Bolsonaro.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, esteve pela manhã desta segunda-feira, 1º, na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo uma fonte, o assunto tratado pelos dois colegas de partido foi a reforma da Previdência. A proposta pode ter sua tramitação concluída na Comissão Especial esta semana, mas ainda há impasses. Maia tenta fechar um acordo com as demais legendas que apoiam a medida para que elas não apresentem destaques que possam “desidratar” a economia esperada com a proposta e assim garantir aprovação antes do recesso parlamentar.

Disponível para iOS e Android: Templates - App Microsoft Notícias (for spotlight promo)

App Microsoft NotíciasBaixe Agora Publicidade para Android e iOS

Uma das pendências nesse acordo refere-se justamente ao partido de Jair Bolsonaro, o PSL, que ainda estuda se vai apresentar ou não um destaque em favor das carreiras da Segurança Pública nos Estados. A legenda deve decidir a questão ainda nesta segunda. O presidente nacional do partido, Luciano Bivar (PE), já solicitou que a legenda não apresente qualquer pedido de alteração ao texto e que a questão está fechada.Veja mais no MSN Brasil:
As vitórias e derrotas em 6 meses de governo Bolsonaro (BBC News)
PR: corpo de menino vítima de explosão é enterrado (IstoÉ)
Tempestade de granizo deixa cidade coberta por gelo (BBC News)
Papa anuncia data para canonização de Irmã Dulce (Estadão)

Até a última sexta-feira, 28, o PSL ainda estudava atender a uma demanda da chamada “bancada da bala” para afrouxar a regra de transição, o pedágio e a regra permanente para servidores da segurança pública nos Estados. Cerca de 40% dos deputados do PSL são oriundos da área de segurança.

Tenta-se, ainda, um acordo com os governadores. Em troca do apoio deles à reforma, as regras para a Previdência de servidores públicos de Estados e municípios seriam as mesmas que serão aplicadas para os funcionários federais. Com isso, os defensores da reforma poderiam considerar que o projeto teria grandes chances de ser aprovado, pois os governadores convenceriam pelo menos 40 a 50 deputados a dar o voto favorável ao projeto quando for votado pelo plenário.

Amanhã, Maia se reunirá com governadores pela manhã. A leitura do voto complementar do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), está prevista para ocorrer na parte da tarde da terça-feira e a votação do parecer deve ter início na quarta-feira. A expectativa é que a votação na comissão seja finalizada esta semana para que a matéria fique pronta para ir a plenário na próxima semana.

Após se reunir com Maia, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem encontro marcado às 11h com o presidente Jair Bolsonaro.

Uma das pendências nesse acordo refere-se justamente ao partido de Jair Bolsonaro, o PSL, que ainda estuda se vai apresentar ou não um destaque em favor das carreiras da Segurança Pública nos Estados. A legenda deve decidir a questão ainda nesta segunda. O presidente nacional do partido, Luciano Bivar (PE), já solicitou que a legenda não apresente qualquer pedido de alteração ao texto e que a questão está fechada.Veja mais no MSN Brasil:
As vitórias e derrotas em 6 meses de governo Bolsonaro (BBC News)
PR: corpo de menino vítima de explosão é enterrado (IstoÉ)
Tempestade de granizo deixa cidade coberta por gelo (BBC News)
Papa anuncia data para canonização de Irmã Dulce (Estadão)

Até a última sexta-feira, 28, o PSL ainda estudava atender a uma demanda da chamada “bancada da bala” para afrouxar a regra de transição, o pedágio e a regra permanente para servidores da segurança pública nos Estados. Cerca de 40% dos deputados do PSL são oriundos da área de segurança.

Tenta-se, ainda, um acordo com os governadores. Em troca do apoio deles à reforma, as regras para a Previdência de servidores públicos de Estados e municípios seriam as mesmas que serão aplicadas para os funcionários federais. Com isso, os defensores da reforma poderiam considerar que o projeto teria grandes chances de ser aprovado, pois os governadores convenceriam pelo menos 40 a 50 deputados a dar o voto favorável ao projeto quando for votado pelo plenário.

Amanhã, Maia se reunirá com governadores pela manhã. A leitura do voto complementar do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), está prevista para ocorrer na parte da tarde da terça-feira e a votação do parecer deve ter início na quarta-feira. A expectativa é que a votação na comissão seja finalizada esta semana para que a matéria fique pronta para ir a plenário na próxima semana.

Após se reunir com Maia, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem encontro marcado às 11h com o presidente Jair Bolsonaro.