This file photo taken on July 04, 2011 shows The main entrance to the state-owned Brazilian Development Bank (BNDES) in Rio de Janeiro, Brazil, on July 4, 2011. The Brazilian police on May 12, 2017 launched an operation to investigate alleged frauds in loans granted by the BNDES to giant meat processing plant JBS that caused a loss of 1,200m reals (380m US dollars) to public funds. / AFP PHOTO / VANDERLEI ALMEIDA

À Reuters, conselheiro do BNDES projeta devolução de R$ 100 bi ao Tesouro ainda este ano

Reuters: O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderá devolver ao Tesouro Nacional cerca de 100 bilhões de reais neste ano para ajudar nas contas do governo, disse à Reuters o conselheiro do banco Carlos Thadeu de Freitas.

O banco já devolveu esse ano cerca de 30 bilhões de reais e, segundo Freitas, os demais 70 bilhões devem ser quitados até o fim do ano. Thadeu, que já foi diretor da instituição, disse que o banco tem espaço e fôlego para devolver ao Tesouro esse montante para ajudar nas contas públicas.

“As contas públicas não podem piorar. Está todo mundo no mesmo barco e se piorar todo mundo afunda junto”, disse ele.

Durante a última década, o Tesouro irrigou o BNDES com quase 500 bilhões de reais, usados para empréstimos ao empresas, muitas vezes mais baratos do que o custo de captação da União. Esse recursos começaram a ser devolvidos nos últimos anos.

De 2015 a 2018, o banco devolveu ao governo 309 bilhões de reais. No ano passado, BNDES fez acordo com a União, antecipando de 2060 para 2040 o prazo final para devoluções.

Comenta-se internamente no banco que Joaquim Levy, que se demitiu do comando do banco no último fim de semana após ter sido cobrado publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro, estaria resistindo a uma devolução mais expressiva.

“O Levy é um grande economista, mas talvez tenha demorado a entender o novo tamanho do banco”, disse Freitas.

Há receios no banco é que as devoluções possam comprometer a capacidade de financiamento da instituição. Mas como a economia ainda não engrenou, há correntes no governo que entendem que a devolução não teria maiores consequências para o banco.

O parecer da reforma da previdência prevê o fim dos repasses do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para o BNDES. O FAT é uma dos principais fontes de financiamento do banco.

“Se isso for aprovado, seria só para 2020. Aí tem que ver como vai ficar a devolução dos demais recursos. No total, faltam uns 200 bilhões de reais”, frisou Thadeu.

O executivo afirmou não se deve mais esperar que o banco empreste mais de 70 bilhões de reais anualmente. O BNDES já chegou a emprestar mais de 140 bilhões de reais por ano. O foco daqui para frente devem ser financiamentos para obras de infraestrutura e para médias, micro e pequenas empresas, disse.

“Não há mais alternativa para o banco ser maior. Os privados podem emprestar, são muito líquidos e não faz mais sentido ter um BNDES enorme. Se tem que ser focado em pequenos e infraestrutura”, disse ele.

A previsão do executivo é que o BNDES empreste em 2019 cerca de 65 bilhões de reais, abaixo dos 69,3 bilhões de 2018.

Com isso, Freitas afirmou que é hora de se pensar em enxugar o quadro de funcionários por meio de um Programa de Demissão Voluntária (PDV). Isso poderia levar o quadro total do BNDES, hoje em cerca de 2500 pessoas, para no máximo 1800 empregados.

A asssociação de empregados do BNDES disse que por enquanto não tem conhecimento de um PDV e que não vai iria se manifestar.