Temporal causa danos na cidade do Rio de Janeiro. Na avenida Niemeyer, que liga os bairros do Leblon e São Conrado, na zona sul, deslizamento atingiu um ônibus, que acabou tombando sobre a ciclovia na encosta da pista.

Crivella não cumpriu nem 40% do orçamento contra chuvas; previsão de novo temporal na madrugada de sexta-feira

Reportagem do jornal O Globo, publicada na segunda-feira 4, aponta um motivo – e, muito provavelmente, o principal – para as seis mortes e o caos instalados na capital do Rio de Janeiro a partir das fortes chuvas da madrugada desta quinta-feira 7: a falta de prioridade administrativa dada ao tema pelo prefeito Marcelo Crivella.

Dos R$ 662 milhões previstos no orçamento municipal para os programas de minimização dos efeitos das chuvas, historicamente fortes nessa época do ano, a Prefeitura aplicou apenas 38,26% desse montante, ou R$ 253,3 milhões.

A informação é oficial, transmitida pelo secretário municipal de Conservação, Jorge Felippe.Com diversos pontos da cidade praticamente debaixo d’água, infraestrutura destruída, dezenas de carros atingidos por árvores e seis mortes confirmadas até o final desta tarde, não há dúvida de que a falta de investimento em ações como limpeza de bueiros, escoramento de encostas, podas de árvores e orientação à população – fatores que englobam, entre outros, a rubrica ‘conservação’ -, contribuíram para a maximização do caos.

Para o gabinete da vereadora Teresa Bergher, do PSDB, a leniência administrativa foi ainda maior. No cálculos do gabinete dela, apenas 20,43% do total do orçamento previsto para a área, ou R$ 135,3 milhões, teriam sido realizados pela administração Crivella.

As previsões de chuvas fortes sobre a capital fluminense indicam que as chuvas no atual período podem superar em 53,46% a média pluviométrica dos últimos anos.

Na tarde desta quinta-feira 7, Crivella decretou luto oficial de três dias na cidade. E recomendou à população não sair às ruas durante as noites: há previsão de novas fortes chuvas durante a madrugada.