Federal deputy Jair Bolsonaro of the Party for Socialism and Liberation (PSL), a pre-candidate for Brazil's presidential election, attends a debate at the Industry Confederation event in Brasilia, Brazil July 4, 2018. REUTERS/Adriano Machado

Bolsonaro muda postura, recebe mídia, aponta mudanças na Previdência e crava: “Nenhum filho meu manda no governo”

BR: Em meio a reclamações veladas de estar sendo tímido em relação à defesa da reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro adotou nova postura nesta quinta-feira 28. Em Brasília, ele recebeu jornalistas de 13 veículos de comunicação, para um café-da-manhã que não pode ser gravado. A assessoria da Presidência informou que a ideia da aproximação com a mídia partiu do próprio presidente.

Durante o encontro, Bolsonaro disse estar disposto a negociar alguns pontos da reforma da Previdência, entre eles a redução da idade mínima para aposentadoria das mulheres de 62 anos para 60. É a primeira vez que o presidente fala em reduzir a idade mínima após entregar a proposta ao Congresso Nacional.

“Muita coisa vai ser atenuada aí, mas não pode desfigurar a alma da proposta”, disse Bolsonaro, admitindo também que a proposta original de corte no Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos e deficientes de baixa renda, poderia passar de 60% para 70% do valor atual. “Eu acho que dá para cortar um pouco de gordura e chegar a um bom termo, o que não pode é continuar como está (o déficit da Previdência)”.

Bolsonaro insistiu na importância da reforma da Previdência, fazendo comparações internacionais. “Tem que haver (a reforma). Não queremos passar pelo que a Grécia passou, ou Portugal”.

Questionado sobre a influência de seus filhos sobre ele e sua gestão, assunto que tem gerado críticas dentro e fora da administração, Bolsonaro foi direto: “Nenhum filho meu manda no governo”, cravou.

A assessoria do Palácio do Planalto afirmou que a decisão de procurar a aproximação com a mídia foi de Bolsonaro.