Juíza atende MP-RJ e manda bombeiros emitirem laudo do Sambódromo em 24 hs; tensão nos bastidores do ‘maior espetáculo da terra’

BR: Sob a ameaça de interditar o sambódromo do Rio de Janeiro, o Ministério Público fluminense pediu à Justiça que determinasse ao Corpo de Bombeiros a expedição de um laudo técnico a respeito das condições de segurança da famosa Passarela do Samba. No início da noite desta quinta-feira 28, quando o grito de Carnaval está na garganta de milhões de foliões pronto para ser disparado, a juíza Mônica Ribeiro Teixeira, da 1ª Vara da Fazenda Pública, atendeu à solicitação. Se o laudo não for emitido, tanto o MP quanto a magistrada irão unir forças para, ao menos em primeira instância, manter o Sambódromo fechado.

A partir da liberação dos bombeiros, a juíza determinou que os presidentes da Liga das Escolas de Samba (Liesa), José Luiz Castanheira,  e da Riotur, Marcelo Alves, terão de assinar um termo de responsabilidade. Neste documento, eles terão de assegurar que a Marques de Sapucaí “reúne condições de segurança suficientes à assegurar a vida e a integridade física dos espectadores, jurados, trabalhadores e integrantes das escolas de samba”. Aplausos para todas essas medidas de segurança e precaução, as tudo isso precisava mesmo acontecer tão em cima da hora de um evento com data marcada com enorme antecedência? Todos os que estão envolvidos, direta ou indiretamente, com os desfiles das escolas não mereciam passar por esse suspense à esta altura.