Com Bolsonaro vaiado, Baiana System fica em silêncio por meia hora, mas quando músicos chegaram… Carnaval explode forte em Salvador; “Muito amor”, mandou Passapusso!

BR: A banda BaianaSystem provou ontem, no primeiro dia do Carnaval de Salvador, que tem a moral em alta com o folião. Mesmo atrasando 30 minutos, o grupo liderado por Russo Passapusso arrebatou a capital baiana, homenageou Marielle Franco e o mestre de capoeira Moa do Katendê e ainda ouviu seus fãs entoando coro contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL). ‘Ei, Bolsonaro, vá …’, gritou-se muito.

Uma das atrações mais aguardadas do circuito Dodô (Barra Ondina), o grupo passou por um imprevisto um tanto inusitado. O relógio marcava pontualmente 17h quando o Navio Pirata começou a se deslocar. A nau seguiu adiante e, por cerca de meia hora, não emitiu qualquer sinal sonoro. O imprevisto, contudo, não fez ninguém arredar o pé da avenida Oceânica. Tampouco motivou vaias.

Mais tarde, porém, viria a explicação: os músicos da Baiana tinham se atrasado.

Com a trupe a postos, o Navio Pirata, mais uma vez, arrebataria uma multidão ao longo dos quatro quilômetros de trajeto que ainda havia pela frente. “Queria dizer para vocês que vamos fazer o percurso todo com muito amor”, contornou o cantor Russo Passapusso, aproveitando o ensejo para exaltar a memória de Moa do Katendê, compositor e mestre de capoeira assassinado em outubro do ano passado, aos 63 anos.

“Para que todos digam que a BaianaSystem, no primeiro dia de Carnaval, começa rasgando as ruas gritando o nome do mestre Moa”, saudou Passapusso, que esteve acompanhado do parceiro BNegão.

No repertório, os dois mesclaram hits do início da carreira do grupo baiano e canções atuais, como “Saci”, do recém-lançado “O Futuro Não Demora”. A vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018, também teve seu nome ovacionado pela multidão que lotou a Barra-Ondina e gritos de “Marielle presente!” foram ouvidos no maior circuito de rua do Carnaval de Salvador. Quem foi criticado durante a passagem da banda foi Jair Bolsonaro. No ponto alto do desfile, os foliões gritaram palavras de ordem contra o presidente.