Centrão quer frente de atrito com Bolsonaro no STF; ideia é barrar procuradores da Lava-Jato na PGR

BR: A briga pela sucessão da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, só esquenta – e a marcação do centrão em cima da escolha a ser feita pelo presidente Jair Bolsonaro, mais ainda.

Os políticos dos partidos do bloco informal de pressão estudam entrar no Supremo Tribunal Federal com um recurso para que apenas subprocuradores da República possam assumir o cargo de procurador-geral. Dessa maneira, Bolsonaro teria seu leque de escolhas reduzido, não podendo, por exemplo, indicar um dos procuradores da Lava-Jato, como Deltan Dallagnol ou outros, para a chefia do Ministério Público. Essa seria a intenção do presidente, numa jogada que tem tudo para acirrar ainda mais as suas relações com os políticos.

O centrão também está passando um pente fino nos projetos encaminhados pelo governo ao Congresso, para estudar em quais conseguirá atrapalhar o quanto possível as tramitações.

Nitidamente, o centrão aumenta a pressão para obter cargos na administração federal que ainda não foram concedidos pelo presidente. “Bolsonaro quer apenas que a gente carregue o piano para ele tocar”, tem definido o deputado Paulinho da Força, estrela do bloco.