De 66 ‘Bolsonaros’ concorrentes nas eleições municipais, só um se elegeu: Carluxo; até Rogéria, mãe de 01, 02 e 03, e funcionária fantasma foram espantadas nas urnas eletrônicas; rejeição a imitações ou ao original também?

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente da República, foi reeleito para seu cargo na Câmara Municipal do Rio de Janeiro neste domingo (15/11). Ele recebeu 71 mil votos — uma queda de mais de 30% em relação aos 106 mil votos que obtivera. Carlos Bolsonaro também perdeu o posto de vereador mais votado no Rio de Janeiro, que havia conquistado em 2016, para Tarcisio Motta (Psol), eleito com mais de 86 mil votos.

Mas o filho do presidente foi uma exceção entre os candidatos que estiveram nas urnas com o famoso sobrenome de sua família. Um levantamento da BBC News Brasil com candidatos que concorreram com o nome “Bolsonaro” mostra que apenas Carlos teve sucesso.

No total 66 “Bolsonaros” candidatos a vereador e dois a prefeito (Jaboticabal e Várzea Paulista, em SP) foram derrotados. Houve também políticos que foram impedidos de usar o nome de Bolsonaro para concorrer.

O presidente também teve um resultado ruim entre os candidatos que apoiou diretamente em suas lives na internet, com dois terços deles derrotados neste domingo.

Ex-mulher e Wal

Entre os candidatos que utilizaram o nome “Bolsonaro”, alguns possuem ligação real com o presidente.

É o caso de Rogeria Bolsonaro (Republicanos), ex-mulher de Jair e mãe de Carlos, que disputou uma vaga na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Seu nome na urna é “Rogeria Bolsonaro” e no site do TSE seu nome completo aparece como “Rogeria Nantes Braga Bolsonaro”.

No passado, em 2000, quando era rompido com Rogeria, Jair Bolsonaro tentou impedir na Justiça a ex-mulher de usar seu sobrenome para concorrer a uma eleição. Na ocasião, ele também lançou a candidatura de Carlos, então com apenas 17 anos, para concorrer e derrotar a mãe. A estratégia deu certo na época, e Carlos foi eleito.

Neste ano, no entanto, Rogéria concorreu com o apoio de seus filhos, que chegaram a ajudá-la, mesmo tendo Carlos também na disputa. E Rogeria, hoje reconciliada com Jair, fez campanha defendendo a gestão do ex-marido na Presidência.

“O homem que diziam não ter competência, (sic) salvou o Brasil em meio a (sic) crise mundial”, escreveu ela no Twitter sobre Jair Bolsonaro.

Rogeria recebeu apenas 2.034 votos (0,08%) e não foi eleita.