Bolsonaro dá apoio de 1ª hora a Guaidó e diz que “Brasil se solidariza com o sofrido povo venezuelano escravizado por um ditador apoiado pelo PT, PSOL e alinhados ideológicos”

O Presidente Jair Bolsonaro comentou a deterioração da crise política na Venezuela nesta terça-feira (30), reafirmando o apoio do Brasil à transição de poder no país e ao líder da oposição Juan Guaidó.

O líder da oposição que se autoproclamou presidente da Venezuela, Juan Guaidó,  fez uma convocação nesta terça-feira (30) ao povo venezuelano e ao exército para saírem às ruas para completar a assim chamada “Operação Liberdade” para derrubar o presidente Nicolás Maduro.

O presidente venezuelano, por sua vez, declarou que os principais comandantes militares estão ao seu lado e pediu “máxima mobilização popular para assegurar a vitória da paz”. 

Ao comentar a crise instaurada nesta quarta-feira, Jair Bolsonaro reiterou o apoio do Brasil à “transição democrática” e ao oposicionista Juan Guaidó.

“O Brasil acompanha com bastante atenção a situação na Venezuela e reafirma o seu apoio na transição democrática que se processa no país vizinho. O Brasil está ao lado do povo da Venezuela, do presidente Juan Guaidó e da liberdade dos venezuelanos”, publicou Jair Bolsonaro em seu Twitter. 

​O presidente brasileiro também reiterou as críticas ao presidente venezuelano, sem mencionar o seu nome, classificando-o como “ditador” e associando-o a partidos de esquerda brasileiros. 

“O Brasil se solidariza com o sofrido povo venezuelano escravizado por um ditador apoiado pelo PT, PSOL e alinhados ideológicos. Apoiamos a liberdade desta nação irmã para que finalmente vivam uma verdadeira democracia”, acrescentou. 

O presidente Jair Bolsonaro convocou uma reunião de emergência representantes do Gabinete de Segurança Institucional, do Ministério da Defesa, do Ministério das Relações Exteriores, além do vice-presidente, no começo desta tarde para tratar da situação política na Venezuela. 

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse hoje (30) que o Brasil continua tendo uma perspectiva concreta de que haja uma “evolução democrática na Venezuela” a partir de pressões diplomáticas e políticas e também com “sanções econômicas” da comunidade internacional.

A manifestação de Ernesto Araújo foi durante entrevista à imprensa ao lado do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Mass, no Palácio do Itamaraty. “Nossa posição é de apoio ao processo de transição e esperamos que todas as forças venezuelanas atendam a esse chamado pela democracia”, disse Ernesto Araújo. O ministro disse que o governo brasileiro está reunindo informações sobre a movimentação de hoje (30) na Venezuela para tomar uma posição mais clara sobre a questão. “As informações chegam a cada minuto”, ressaltou. Ele disse que conversou nessa segunda-feira (29) contato com autoridades norte-americanas sobre situação no país vizinho.

O ministro Araújo frisou que, pelo menos com relação à parte brasileira, não havia ainda informações sobre o deslocamento na manhã de hoje (30) dos líderes da oposição e do preso político Leopoldo López para a base aérea de La Carlota, em Caracas, onde anunciariam o apoio de militares na luta contra o regime de Nicolás Maduro.