Ao seu modo, direita faz 1º Encontro de Conservadores, apoia Moro e quer chegar às periferias

Concluiu-se ontem o 1º Encontro Brasileiro de Conservadores. Em Brasília. Discutiram como defender o governo em vários temas e a maneira de enfrentar a oposição. Os participantes respondiam nos grupos temáticos: “cite uma ação concreta pelos movimentos de direita para o confronto com a esquerda”.

O grupo tirou posição a favor do pacote de Moro e propuseram como estratégia divulgar morte de policiais contra a “vitimização” dos bandidos. Na educação, sugerem que professores abordem a pedofilia na escola sem recorrer ao erotismo. E querem debater com a sociedade o fim da autonomia universitária.

Foi feita a defesa da reforma da Previdência. O secretário da Previdência, Leonardo Rolim, fez uma palestra sobre o tema no local do encontro. Os conservadores querem ir para as ruas defender as mudanças na aposentadoria.

Na saúde, os conservadores querem que os diretores de hospitais públicos sejam alinhados com o governo e que essas unidades sejam “desaparelhadas”.

Eles publicaram uma nota contra a União Nacional dos Estudantes (UNE), que é apresentada como “um tentáculo das forças políticas promotoras não só da nefasta ideologia socialista e do projeto de poder mundial comunista”. No manifesto, afirmam que a entidade é contrária aos “aos princípios cristãos vividos e apoiados pela imensa maioria do povo brasileiro”.

Como ação para chegar nas periferias, querem usar as rádios comunitárias e jornais independentes, além das redes sociais. O advogado Paulo Fernando Melo, um dos secretários do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, participou do encontro. ffffff