É para Bolsonaro, e não para o Congresso, o recado de Guedes: ministro deixa governo se presidente não trabalhar a sério pela Previdência

BR: Quando, por duas vezes em público e muitas outras nos bastidores, o ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que sai do governo se a sua prestação de serviços não for mais bem vista, o recado que ele dá não é para o Congresso ou para o bispo de Bauru. É dirigido, diretamente, ao presidente Jair Bolsonaro, informam integrantes da equipe econômica cujas vozes, em off, são ouvidas no alto da coluna Painel, desta quinta-feira 28, no jornal Folha de S. Paulo.

Os integrantes da equipe de Guedes dizem que ele não está mais disposto a carregar sozinho a defesa para valer da reforma da Previdência enquanto, no sentido contrário, Bolsonaro reafirma que não queria fazer a reforma, mas só enviou a PEC à Câmara porque, sem ela, o Brasil vai quebrar. Igualmente há muita decepção quando o presidente dinamita o diálogo com o presidente da Casa, Rodrigo Maia. Essa postura de Bolsonaro nada agrega, só retira peso do trabalho técnico que Guedes e seu time fizeram.

Sem respaldo, a ameaça de deixar o governo pode virar, a qualquer nova faísca, a explosão da saída real do principal ministro do governo.